segunda-feira, 23 de novembro de 2020

Comemorações se transformam em foco de transmissão da Covid-19

O foco de transmissão da Covid-19 que engloba o prefeito eleito de Mossoró, Allyson Bezerra (Solidariedade) e do seu vice-prefeito Fernandinho das Padarias (PSD), está nas comemorações que o próprio Allyson fez/orientou e das quais participou ativamente. Ainda no domingo, assim que o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) comunicou sobre o resultado das eleições em Mossoró, Allyson participou da descida da Avenida Presidente Dutra e, de acordo com imagens de vídeos postados nas suas redes sociais, em nenhum momento ele usou máscara.

Na semana, terça-feira ou quarta-feira, houve um churrasco comemorativo no município de Tibau, onde Allyson Bezerra e Fernandinho das Padarias estiveram. Evento lotado e pouca gente usava máscara. A preocupação era só a comemoração.

Na sexta-feira veio a confirmação: após sentir alguns sintomas, Allyson Bezerra foi diagnosticado com a covid-19, assim como sua esposa, o vice-prefeito eleito, o vereador reeleito Raério, além de membros da equipe do prefeito eleito.

O resultado disso é um só: falta de compreensão e de cuidado com a vida do outro. Nada mais que isso.

sábado, 21 de novembro de 2020

‘Precisamos dar respostas à população’, diz prefeita eleita de Grossos

Primeira prefeita eleita de Grossos, a ex-vereadora e ex-secretária municipal de Assistência Social Cinthia Sonale (PSDB) tem uma missão: reconstruir uma cidade que tem pouco mais de 10 mil habitantes e que precisa, urgentemente, sair do marasmo em que se encontra. Isso nos mais diversos setores. Ela derrotou duas estruturas pesadas, sendo uma do vereador Erasmo Carlos (PC do B), que teve o apoio do prefeito José Maurício Filho (MDB), e outra da vereadora Clorisa Linhares (PP), esposa do empresário Jonhson Kriecer. Duas pesquisas foram divulgadas e ambas indicavam que Cinthia seria derrotada por Clorisa, que acabou ficando na terceira colocação. Abaixo a entrevista que o blog fez com a prefeita eleita de Grossos:

A senhora enfrentou duas estruturas fortes e que trabalharam muito para que o eleitor não lhe garantisse a vitória. Mas, ao abrir das urnas, a senhora acabou se tornando a primeira prefeita de grossos. Como foi ser alvo de duas candidaturas e mesmo assim vencê-las?

A possibilidade de vitória existe em toda e qualquer campanha. Agora nesta última, desde o começo, percebemos que seria a vez do povo. Pela ausência de ações concretas e reais do poder público. Mas digo que a vitória é do povo. Não foi fácil disputar com candidaturas que tinham grande poder. Mas estamos aqui, eu e Galego, eleitos, para administrar a cidade a partir de janeiro. Vamos realizar uma gestão como anunciamos: á quatro mãos. Ficou bem claro, desde o começo da campanha, que seríamos vitoriosos. Lógico que tudo poderia acontecer, mas sabíamos que o povo estava conosco. E, passada a eleição, vamos tratar de colocar em prática o que foi assimilado pela população e governar para todos. Independente de partido político. Fomos eleitos para administrar o município. E dizer, também, da nossa alegria. Agradeço a cada um e a cada uma que acreditou no nosso projeto, no nosso sonho de transformar Grossos em uma melhor cidade e da qual as pessoas possam ter orgulho.

A eleição, contudo, já passou. Agora é hora do trabalho, mesmo sem ter tomado posse. Como a senhora pretende trabalhar a equipe de transição?

Já definimos a equipe e esperamos iniciar o trabalho o mais rápido possível. A eleição deste ano foi atípica e aconteceu em 15 de novembro. Temos poucos dias para nos inteirarmos sobre tudo. Claro que sabemos de alguma coisa, mas precisamos detalhes. Não queremos assumir e termos surpresas. E aqui não vai nenhuma crítica á atual administração. É que realmente precisamos saber detalhes da vida administrativa, números, estatísticas, projetos, verbas, dívidas. Tudo isso precisa ser passado para que possamos entrar janeiro sabendo o que vamos fazer de início, de imediato. Precisamos dar respostas à população. Vamos realizar uma gestão transparente. Foi para isso que eu e Galego fomos eleitos.

Sobre a composição do secretariado, como será?

A nossa equipe será composta por pessoas capacitadas e que tenham conhecimento técnico sobre áreas específicas. Será uma equipe extremamente competente e comprometida com a coisa pública. Não admitirei nenhuma ação que possa macular o desejo do povo. Não admitirei nenhum ato que possa envergonhar a nossa população. E exigirei compromisso, fidelidade e, acima de tudo, responsabilidade e ética no trato com a verba pública. Fomos eleitos para isso: para fazer com que toda a população tenha acesso aos direitos mínimos. E vamos buscar parcerias para projetarmos a Grossos que queremos. Nosso objetivo é, daqui a quatro anos, transformar a realidade que todos conhecem. E não vamos medir esforços. Trabalharemos incansavelmente para concretizarmos o que defendemos em praça pública na campanha que passou.

 A senhora já tem em mente como será os primeiros dias de sua gestão?

Nosso foco será para os problemas imediatos. Já vislumbramos que a saúde e a limpeza pública podem ser nossa prioridade nos primeiros dias. Mas essa possibilidade pode ser alterada, dependendo de como a atual administração vai seguir neste último mês de dezembro. Mas, como é de praxe em toda gestão que se inicia, o olhar mais atencioso será para a saúde. Até por questões próprias da área. O que posso adiantar é que, como já temos o plano de governo definido, iremos apenas colocar em prática o que defendemos nas ruas e cujas ideias foram aprovadas pela população. De modo que todos os setores serão contemplados e terá, óbvio, mais atenção aquele que apresentar maior necessidade. E isso já vai sair no relatório que a nossa equipe de transição vai elaborar e que nós, obviamente, vamos apresentar a todos os cidadãos.

Quem acompanha o cotidiano de Grossos sabe que existe muito a ser feito. Qual será sua prioridade?

Como já foi dito na pergunta anterior, nossa prioridade será resgatar a cidadania, a autoestima dos grossenses. E isso passa, primeiramente, pela saúde. A nossa meta, minha e de Galego, é cuidar das pessoas. E cuidar das pessoas implica que teremos que garantir os direitos básicos, como uma consulta médica e medicamentos a quem precisa. Iremos analisar, com cuidado, a questão da educação. Precisamos definir, logo nos primeiros dias, a nossa atuação. Precisamos saber o que pensam os nossos professores sobre a retomada gradual das aulas presenciais, e decidiremos se será possível, ou não, construir algo nesse sentido. Assim, a grosso modo, a nossa prioridade será justamente essa: cuidar das pessoas. Foi para isso que fomos eleitos. E é o que vamos fazer.

Economicamente, Grossos perdeu na arrecadação de royalties e tem no FPM a sua sustentação financeira. Como a senhora vai resolver esse problema?

Vamos sentar, já na primeira semana da nossa administração, com a assessoria jurídica da Prefeitura para vermos o que pode ser feito. É fato que gestão que se finda em dezembro recebeu mais de R$ 80 milhões de royalties. Não vamos demonizar ninguém ou iniciar uma “caça às bruxas”. Mas é natural que queiramos saber detalhes sobre os recursos dos royalties. É algo que não dá para adiantar muita coisa porque precisamos ter informações que serão passadas para a equipe de transição. Mas o certo é que vamos buscar, via Justiça, que o repasse de Grossos seja equiparado a Tibau, por exemplo.

Como a senhora pretende trabalhar o fato de não se ter notícias, dados e informações sobre a prestação de contas da gestão que está chegando ao fim?

Vamos ter essas informações, com detalhes, agora na transição. Como eu já disse: não vamos demonizar ninguém. Não vamos acusar por acusar. Iremos, apenas, buscar o que pertence, de verdade, ao povo. E foi para isso que eu e Galego fomos eleitos.

sexta-feira, 20 de novembro de 2020

A farra das pesquisas falsas no RN e em Mossoró


Concluída a eleição no Rio Grande do Norte e na assembleia legislativa, o deputado Tomba Farias (PSDB) fez um protesto/denúncia sobre algo que todos perceberam nas eleições do Rui Grande do Norte, sobretudo em Mossoró e que certamente em muitos locais foi decisiva para induzir o eleitorado a mudar a imagem dos atores políticos: apagar avaliações positivas de administrações e realçar aspectos negativos, sem falar em criar uma série de efeitos em cadeia a favor e contra quem o instituto contratado decidia falseando números.

Em Mossoró, o acúmulo do erro foi propalado pelo instituto AgoraSei que cravou que o candidato da coligação PSD/SD Allysson Bezerra venceria as eleições por 21% dos votos válidos e 17% dos votos totais. Isso de maioria. O que se viu nas urnas, no entanto, foi uma vitória por 2,5% dos votos totais e pouco mais de 4% dos votos válidos. Ele não atingiu sequer a metade dos eleitores que escolheram outros candidatos e se Mossoró tivesse mais 23 mil eleitores, a suposta informação de que ele venceria por larguíssima vantagem, não apenas seria desmentida, assim como foi pelas urnas, como também sequer garantiria êxito eleitoral.

E, com essa leitura, haveria um 2º turno entre o companheiro de partido de Kelps Lima e a atual prefeita de Mossoró, com um adendo: devido ao estilo de campanha de Bezerra, que entre outras práticas, pessoas da cúpula campanha utilizaram a ferramenta de reuniões internas em templos e igrejas distribuir impropérios e calúnias sobre a visão religiosa de Isolda e sobre a vida no aspecto mais que pessoal de Claudia e de Isolda, seria certo de que não  receberia o apoio das mesmas. Pelo contrário, já havia angariado com esse estilo de campanha total repulsa delas.

Mas as pesquisas falseadas serviram para isto: primeiramente esvaziar as campanhas de Claudia e Isolda bem ao estilo do ditado americano “fake it until make it” (falseie até que isso se torne verdade) e assim aconteceu com pesquisas como a da ‘AgoraSei’ retirando apoios e votos das campanhas de Claudia e de Isolda, aparentemente bem antes de ter havido qualquer queda em ambas para dar a entender ao eleitor que somente o candidato do SD/PSD teria chances de polarizar com Rosalba.

Deu tão certo esta artimanha que o núcleo duro da campanha encabeçado pela direção de uma rádio local, aproveitando-se do distanciamento dos verdadeiros donos da emissora, transformaram-na em horário eleitoral gratuito do deputado Alysson com duração de 24 horas por dia. Isso com sopapos e apupos permanentes em sua oponente na reta final, Rosalba Ciarlini. E aí o truque da pesquisa veio novamente com todo o gás e objetivo claro: inventar distância de 15, 17 ou 21 % na famigerada AgoraSei e aí criar crise e afugentar apoios à campanha de Rosalba, eliminar os vereadores progressistas e ganhar os cerca de 5 a 10% do eleitorado que é influenciando a votar em quem está “certo de ganhar”.

Deu certo, pois uma vez que a primeira leva de pesquisas falsas para atacar as campanhas de Isolda e Cláudia, tinha, inclusive, retirado apoios de empresários ligados a uma emissora de TV que haviam contratado uma pesquisa e mostrando na época um quadro real: a pesquisa da Sensatus. Ocorre que nesse joguete de ganho de apoios, via instrumento dos levantamentos quantitativos, a campanha do deputado conseguiu cancelar a divulgação daquela pesquisa, que chegou a sair em site oficial e retirado com a versão pitoresca de uma “invasão hacker”. E mais: fez sumir de Mossoró outros institutos que já haviam registrado pesquisa como o I2, que chegou a ser contratado por uma outra emissora de rádio e deu um sumiço na reta final.

No decorrer de uma descida da Presidente Dutra apoteótica da maior oponente nesta campanha, adivinhe o que aconteceu burlando até o anúncio de instituto e meio de comunicação que asseverou divulgação de nova pesquisa para o sábado? A campanha de Alisson já saía divulgando os resultados da pesquisa do dia seguinte. Até hoje não se sabe o que saía primeiro: se a militância do candidato com números na mão para angariar adesões, apoios de candidatos a vereadores e doações pecuniárias ou efetivamente a notícia.

No sábado, um dia antes da eleição, mais uma: pela primeira vez em quatro anos, o jornal AgoraRN possuía centenas de pessoas no centro de Mossoró e distribuía gratuitamente sua edição dando vitória do deputado por cerca de 20% dos votos válidos. Não vamos entrar nem no ponto do dia da eleição e o que foi visto e registrado junto à justiça eleitoral em locais de votação. Fica a dúvida agora se o Ministério Público Eleitoral, Justiça eleitoral, TRE’s e TSE vão fazer algo para investigar esse suposto esquema de fraude e indução supostamente criado por institutos de pesquisa e seus criadores/parceiros.

Na denúncia de Tomba Farias, que foi vitorioso em sua cidade natal, Santa Cruz (RN), e em várias bases políticas, citou a pesquisa que saiu no Blog do BG, dando vantagem de mais de 20% em Afonso Bezerra a um candidato que terminou recebendo este empurrão arrebatador e decisivo para obter êxito por míseros 2% de vantagem. Qualquer semelhança com a capital do oeste pode ser, ou não, mera coincidência...

quinta-feira, 19 de novembro de 2020

'Iremos juntos fazer uma gestão técnica, participativa e eficiente', diz Lidiane Marques

Lidiane Marques, primeira prefeita eleita do município praiano de Tibau, em conversa com o blog, externou algumas ações que pretende concretizar na sua administração. Nesta entrevista, ela discorre sobre um aspecto da sua gestão, que terá olhar diferenciado para as mulheres e que uma das primeiras medidas será a criação da Comissão de Erradicação da Violência Contra a Mulher. Lidiane reconhece que houve avanço considerável na gestão de Naldinho e afirmou que dará sequência á boa onda vivenciada pelo município. Acompanhe a entrevista abaixo:

Primeira prefeita eleita do município de Tibau. Existe um “peso” nessa afirmação?

Com toda certeza. Encaro como uma grande responsabilidade o fato de ter sido a primeira mulher eleita democraticamente pelo voto popular no meu município. Tenho consciência da importância da representatividade feminina na política e de como minha figura poderá influenciar positivamente na vida de todas as mulheres de Tibau. Irei fazer uma gestão com um olhar diferenciado para as mulheres. Uma das nossas primeiras providências será a criação da Comissão de Erradicação da Violência Contra a Mulher no município, que terá o objetivo de traçar políticas públicas no enfrentamento a violência doméstica, que pode se manifestar de diversas maneiras. Iremos juntos fazer uma gestão técnica, participativa e eficiente, sempre dialogando com o Poder Legislativo e a sociedade civil para que juntos possamos continuar ofertando um serviço público de qualidade para todos.

 

A senhora foi eleita com o apoio do prefeito Naldinho. Como será, a partir de janeiro, a condução das ações administrativas? Tem algo a mudar?

Na condição de vice-prefeita tive a oportunidade de contribuir diretamente na gestão do prefeito Josinaldo em todas as áreas. A experiência adquirida na gestão atual nos dar condições de exercer com responsabilidade o cargo de prefeita do meu município a partir de janeiro de 2021. O prefeito Josinaldo é considerado uma referência de gestor em toda a região. Daremos continuidade a vitoriosa e reconhecida gestão implantada em Tibau. No entanto, entendemos que a qualidade da gestão pública de um órgão municipal depende da iniciativa contínua dos seus gestores. É para isso que eu fui eleita, para aprimorar o modelo de gestão existente e ampliar a oferta dos serviços a população, garantindo a continuidade de um serviço público de qualidade para todos. Nos próximos quatro anos teremos, se Deus quiser, significativos avanços em todas as políticas setoriais, o que, com toda certeza, significará ainda mais prosperidade para o nosso município.

 

É fato que Tibau se transformou nas duas gestões de Naldinho. Como a senhora pretende, por exemplo, conduzir a saúde, que tem sido uma das áreas que mais se destacam em Tibau?

Tibau realmente tem se destacado nos últimos anos com um avanço significativo na saúde e é nosso compromisso não parar de avançar. Para isso, ampliaremos nosso atendimento e cobriremos 100% do município com as equipes de Saúde da Família, em conjunto com o Ministério da Saúde, incluindo a área urbana e rural de Tibau. Isso será possível com a inauguração da Unidade Básica de Saúde na Comunidade de Gado Bravo e com a futura construção de um ponto de apoio nas Comunidades de Lagoa de Salsa e Vila Nova. Entendemos também a importância da qualificação continuada dos nossos profissionais para um melhor atendimento a população. Por isso, investiremos em capacitação profissional para todos os servidores da saúde. Iremos adquirir novos veículos para as equipes de saúde e contrataremos Médico Psiquiatra e Psicólogo Clínico para atender a demanda de saúde mental existente no nosso município. Somente ampliando os serviços e com estratégias preventivas em saúde poderemos proporcionar ainda mais qualidade de vida a nossa população.

 

O turismo continua sendo uma espécie de “gargalo” para o município. Como vislumbrar ações que possam garantir a infraestrutura necessária ao desenvolvimento do setor?

Tibau possui um gigantesco potencial turístico e paisagístico que vai ser explorado também em nossa gestão. Potencializar o turismo não é tarefa fácil, pois depende da atuação das esferas municipal, estadual e federal. Buscarei no Ministério do Turismo o apoio necessário para colocar em prática as nossas propostas de governo. Carrego comigo o desejo de ver Tibau na rota dos destinos turísticos mais procurados. Trabalharemos para que Tibau seja a cidade polo do turismo da região Alto Oeste. Para isso, criaremos o calendário anual de eventos culturais, esportivos e festivos do nosso município. No primeiro ano de mandato iremos também construir o Pórtico de entrada da cidade e melhorar a urbanização das praias, o que fomentará o turismo no nosso município. Faremos todos os anos o Réveillon com atrações musicais de nível nacional e regional. Realizaremos anualmente o Acampamento Cultural da Juventude Potiguar, promovendo a cultura e possibilitando a geração de emprego e renda. E traçaremos estratégias de apoio e incentivo aos comerciantes do nosso município para que todos possam investir em seus comércios e está cada vez mais preparado para receber qualquer público que venha a visitar a nossa cidade.

 

A senhora acompanhou o que foi feito no município, na qualidade de vice-prefeita e de secretária de Assistência Social. O que precisa ser melhorado?

Fui Secretária do Trabalho, Habitação e Assistência Social por quase oito anos e foram, sem sombra de dúvidas, os anos em que aconteceram os avanços na política de Assistência Social do nosso município. Conseguimos reestruturar todos os serviços socioassistenciais, investimos em capacitação profissional para os profissionais do SUAS, aprovamos a Lei Municipal que regulamenta a Concessão dos Benefícios Eventuais no âmbito do município; e ampliamos a oferta dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais. Como prefeita, quero trabalhar para reduzir o déficit habitacional existente em nosso município. Para isso, construiremos novas casas populares para a população que sonha com a casa própria. No primeiro ano de mandato, criaremos o Programa Municipal de Transferência de Renda, que possibilitará as famílias mais vulneráveis do nosso município, mais dignidade e garantia de atendimento as suas necessidades básicas. Construiremos a sede própria do CRAS E CREAS, que serão equipamentos modernos de acordo com as orientações técnicas do Ministério do Desenvolvimento Social. Firmaremos convênio com o ITEP/RN e o Ministério do Trabalho para viabilizar a emissão da Carteira de Identidade e de Trabalho aqui no nosso município, o que possibilitará a nossa população o acesso a documentação civil, além de mais comodidade na oferta do serviço. Assim como fizemos a frente da pasta nos últimos oito anos, trabalharemos cada vez mais para que a assistência social seja direito de quem dela necessitar e dever do Estado, porque entendemos que sem assistência social não há direitos. É a garantia de mais dignidade aos usuários, é o avanço, a vontade e a responsabilidade de quem quer fazer muito mais para que Tibau continue brilhando, tanto em nível local, quanto estadual e federal.

quarta-feira, 18 de novembro de 2020

IFRN e Iphan discutem parcerias institucionais

Em reunião realizada no Gabinete da Reitoria na manhã desta quarta-feira, 18 de novembro, o reitor pro tempore do IFRN e o superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no Rio Grande do Norte, Cláudio Machado, discutiram uma série de temas em comum às duas instituições e acenaram com a futura assinatura de um convênio para parcerias e projetos. À reunião também estavam presentes os pró-reitores de Extensão,
Bruno Lustosa, de Pesquisa e Inovação, Samuel Gomes, e de Planejamento e Desenvolvimento Institucional, José Ribeiro Filho.

O professor Josué Moreira destacou a importância do encontro: “Nesse primeiro convênio do Iphan com o IFRN, várias propostas se desenham como possíveis. Algumas delas foram tratadas na reunião da nossa gestão com o superintendente do órgão, o Cláudio Machado. Teremos muito trabalho para construir essa parceria, que vejo como uma oportunidade para geração de conhecimento nas áreas de Pesquisa e – principalmente – de Extensão para estudantes e docentes do Instituto, além de ser uma resposta à sociedade”, pontuou.

Propostas

Dentre as possíveis linhas de atuação conjunta, as propostas iniciais são:

·                     Normatização do Centro Histórico de Natal – que vai demandar ações de Extensão e Pesquisa nas áreas da Cultura, da História, da Arquitetura e de Construção Civil, campos afins ao fazer dos campi Cidade Alta Natal Central, por exemplo;

·                     Criação de softwares para auxiliar no levantamento e atualização de dados sobre o patrimônio histórico e cultural de Natal e para auxiliar no levantamento e atualização dos pontos históricos do Rio Grande do Norte, aproveitando a capilaridade do Instituto pelo estado

·                     Desenvolver projetos de socialização de sítios arqueológicos no interior do Estado, envolvendo campi do interior, como Apodi, região onde há registro de pinturas rupestres;

·                     Desenvolver ações em conjunto voltadas ao levantamento de atividades que componham o patrimônio imaterial do Rio Grande do Norte, como a capoeira, a literatura de cordel e o teatro de bonecos. Para essa iniciativa pretende se desenvolver um projeto que abranja todos os 22 campi do IFRN.  

Importância e abrangência

Segundo Bruno Lustosa, a reunião com o Iphan/RN buscou definir uma parceria com o intuito de estreitar ações de Extensão voltadas, principalmente, ao contexto histórico de preservação dos sítios históricos que o RN tem. “O IFRN tem uma vasta quantidade de servidores e estudantes com interesse nesse tema. Num primeiro momento, a ideia se mostra mais direcionada a ações ligadas ao fazer do Campus Natal-Cidade Alta. Na sequência de atividades, e com o acordo ou convênio entre as instituições já firmado, serão ampliadas as frentes e ações de Extensão a outros campi”, explicou o pró-reitor.

“Conversamos sobre temas em comum entre o Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e o Instituto Federal para encontrar formas de trabalhar projetos em conjunto, contando com a parceria de professores e estudantes-bolsistas de cursos como Edificações, por exemplo. Além disso, também tratamos da possível construção de um edital específico, para ser executados em todos os campi, talvez como oficina, em que práticas e conhecimentos sobre capoeira, literatura de cordel e teatro de bonecos – patrimônios imateriais do Rio Grande do Norte – sejam repassados”, destacou Cláudio, superintendente do Iphan.

Para Samuel Gomes, pró-reitor de Pesquisa e Inovação, o convênio com o Iphan abre uma porta importante para que servidores e estudantes possam pesquisar e inovar nas diversas áreas relacionadas ao patrimônio histórico, material e imaterial, no Rio Grande do Norte: “Centros históricos e sítios arqueológicos, por exemplo, se utilizam de investigações de diversas áreas do conhecimento e têm o poder de despertar no corpo discente a vocação científica. Deve também ser ressaltada a importância de o Instituto Federal retribuir para a sociedade local o investimento nele feito, na forma de pesquisa, extensão, inovação e prestação de serviço para a comunidade, valorizando nosso passado, nossas raízes e o nosso patrimônio cultural”, disse.

Patrimônio Histórico

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) é uma autarquia federal vinculada ao Ministério do Turismo que responde pela preservação do Patrimônio Cultural Brasileiro. Cabe ao Iphan proteger e promover os bens culturais do país, assegurando sua permanência e usufruto para as gerações presentes e futuras.

O Iphan possui 27 superintendências e dezenas de Escritórios Técnicos, a maioria deles nas chamadas cidades históricas. No Rio Grande do Norte, o primeiro tombamento foi realizado em 1949, quando o Forte dos Reis Magos foi reconhecido como patrimônio cultural material nacional. Em nove municípios do RN existem bens tombados isoladamente; em Natal, no ano de 2010, o Instituto realizou o tombamento do conjunto arquitetônico, urbanístico e paisagístico da cidade. 

Fonte: Assessoria IFRN

Progressistas elege 13 prefeitos, 11 vice-prefeitos, 131 vereadores e se fortalece no rio grande do norte

As eleições municipais de 2020 foram muito positivas para o Progressistas RN. Sob a liderança do deputado federal Beto Rosado e do presidente estadual da sigla e ex-deputado federal, Betinho Rosado, o Progressistas elegeu 13 prefeitos, 11 vice-prefeitos e 131 vereadores.

O destaque do partido nessas eleições municipais é o da juventude, onde a legenda conseguiu eleger o candidato a prefeito mais novo do Estado, Paulo Henrique, no município de Pedra Preta. O candidato obteve 51,01% dos votos válidos e foi eleito com apenas 21 anos de idade. Outro destaque, fica para a candidata a prefeita, Bárbara Teixeira, eleita no município de Serrinha dos Pintos, em candidatura única, com apenas 21 anos de idade também.

Outro destaque do desempenho do partido nessas eleições foi o de conseguir eleger prefeitos, vice-prefeitos e vereadores em quase todas as regiões do estado, deixando evidente a sua expansão pelo RN.

No Alto Oeste, o Progressistas venceu nos municípios de Riacho da Cruz, Serrinha dos Pintos e João Dias, com os prefeitos (as) Marcos Aurélio, Bárbara Teixeira e Marcelo Oliveira, respectivamente.  No Médio Oeste foram eleitos Dr. André Jr, em Itaú, Maria Olímpia, em Paraú e Darkinha, em Triunfo Potiguar. No Oeste, o destaque fica para o Prefeito reeleito, Alaor, em Itajá. No Central Potiguar foram eleitos dois prefeitos jovens. Paulo Henrique, em Pedra Preta e Felipe Menezes, em Lajes. No Agreste Potiguar, a sigla elegeu Carlinhos de Veri, em Parazinho e Dr. Raniery, no município de Santa Maria, Jailton Félix, em Monte das Gameleiras e Wellison, em Canguaretama.

“Estou feliz com o resultado nas urnas e agradeço a confiança do povo potiguar no projeto do Progressistas no RN, onde reforço o nosso compromisso em contribuir com a melhoria de vida da população e na busca por recursos para o fortalecimento dos municípios.”, afirmou o deputado federal Beto Rosado. 

Clima de euforia não dura para sempre e é preciso respeito

Sempre se liga a palavra "administrar" a problemas que possam surgir. E faz sentido. Quando se une tal palavra a outra, aí é que pode ser complicado. Administrar um município, seja ele qual for, não deve ser fácil. Em uma campanha tudo se torna possível. Mas entre o imaginável e a sua concretização existe uma lacuna enorme. O sentimento de agora, ainda pós-eleição, é festivo, de alegria. Mas em uma cidade como Mossoró, por exemplo, ou Natal, quem não souber conduzir, de inicio, terá um baita problema pela frente.

O prefeito eleito Allyson Bezerra (Solidariedade) vai ter essa obrigação: de não se deixar levar pelo brilho que o cargo proporciona e nem deixar que seus auxiliares continuem, como ainda se percebe nas redes sociais, a achincalhar quem pensou diferente. Óbvio que tem que comemorar. Mas essa comemoração não pode sair do campo político. Se entra na esfera pessoal, aí já implica em outros problemas.

Claro que o clima de euforia ainda vai durar algum tempo. Afinal, não é todo dia que se derrota uma das maiores lideranças políticas do Rio Grande do Norte. Mas o blog repete: não se pode faltar com o respeito. E muitos comentários feitos nas redes sociais já ultrapassaram o limite da razoabilidade há muito tempo. E é preciso que o líder de todos, no caso o prefeito eleito, freie essa questão. Até porque a candidata derrotada, além de ser prefeita, tem idade suficiente para que a olhem com respeito.

E é preciso compreender, também, que tudo tem um ciclo. A famosa "vida útil". Quem entra na política deve saber disso. Perder é difícil. Mas o complicado é ganhar e permanecer com atitudes de perdedor. Que estas eleições sirvam para proporcionar amadurecimento a alguns. E que outros tenham o discernimento necessário para compreender que tudo o que vai, volta. O blog não fala em nomes, mas no processo em si.

segunda-feira, 16 de novembro de 2020

Diretor do AgoraSei defende credibilidade do instituto

Mesmo depois de se saber quem ganhou as eleições para os cargos majoritário e proporcionais, a briga segue nas redes sociais. E agora não se trata de quem vai ganhar, da maioria que vai ter, dos percentuais que terá ou da suposta liderança que uns pensam ter. A briga que segue gira em torno, ainda, das pesquisas. E o debate virtual tem como base o resultado das urnas em Mossoró e cidades vizinhas.

É óbvio que uma pesquisa mede o momento em que a entrevista é feita. De algum modo, serve como parâmetro para direcionar como, onde e em quais áreas candidatos devem melhorar ou ampliar alguma ação. Essas informações se tem nas chamadas pesquisas qualitativas. E nas pesquisas quantitativas aparecem somente os números, quase limpo e secos. Mas também servem de parâmetro.

Em Mossoró algumas foram lançadas. Dependendo do ponto de vista do eleitor, os números poderiam ser bons ou ruins. Mas para quem fez a pesquisa, isso com relação ao instituto, a defesa tem que ser feita. Por mais que se ache que os números serviram para induzir o eleitor a votar, por exemplo, no candidato Allyson Bezerra (Solidariedade), que foi eleito no domingo que passou.

E, isto posto, afirma-se que nenhum instituto teria cravado a realidade. É bem verdade que ouve aproximação. Mas nenhum instituto cravou. E seria bem difícil isso acontecer. E talvez por esta particularidade é que esteja havendo, ainda, questionamento sobre a "idoneidade numérica" das pesquisas.

O diretor do instituto AgoraSei, Josenildo Carlos, enfatiza, nos debates virtuais que tem participado, que a sua empresa foi a única que apontou crescimento de Allyson Bezerra desde o início. O blog não vai entrar nesse mérito, mas quando só um cresce e três caem e dois ficam indiferentes, tal cenário é difícil de ser "engolido". Mas pode acontecer. 

No caso de Mossoró, a prefeita Rosalba Ciarlini (Progressistas), que estava na campanha pela reeleição, foi atacada severamente por cinco candidatos. Embora as acusações expostas tenham sido excessivas e fora da realidade em determinadas situações. Diante dessa "metralhadora acusatória", Rosalba até que se saiu muita bem nas urnas. Aliás, o resultado para a prefeita foi excelente e mostrou que não pode ser considerada, como já se diz, "carta fora do baralho". Não pode ser subestimada de maneira alguma. Apenas foi vítima do momento, da pandemia e de uma administração altamente irresponsável, já que ela herdou o abacaxi que Mossoró conhece muito bem.

Mas voltando aos números, o diretor do instituto AgoraSei faz a defesa que realmente lhe cabe. E citou que em Tibau, por exemplo, os números divulgados foram certeiros. Em Tibau, o AgoraSei mostrou que Lidiane Garcia seria eleita com pouco mais de 56% dos votos válidos. E bateu. Josenildo Carlos também citou o caso de Areia Branca, onde o seu instituto informou na campanha que haveria empate técnico entre a prefeita Iraneide Rebouças e o candidato Toninho. As urnas mostraram exatamente isso> 49,12% para Iraneide e 49,12% para Toninho.

Não adianta mais bater nessa tela. A eleição já passou. Os vitoriosos estão comemorando. E esperar que na próxima eleição tudo seja mais administrável, numericamente falando.

Naldinho elege Lidiane e sete vereadores em Tibau

A atual vice-prefeita de Tibau, Lidiane Marques (PSDB), foi eleita prefeita do município de Tibau com 2.762 votos, o que representa 56,06% dos votos válidos, contra 2.165 votos do candidato Haroldo (PL).

A eleição de Lidiane representa a força política do atual prefeito Josinaldo Marcos de Souza “Naldinho”, frente sua administração municipal que transformou o município de Tibau num verdadeiro canteiro de obras.

Além da eleição de Lidiane, a coligação também conseguiu eleger sete dos nove vereadores, o que significa uma resposta positiva da população de Tibau devido a avaliação da gestão municipal que atualmente é de 94% de aprovação.

Nesse contexto, a população entendeu da necessidade da continuidade do trabalho da atual administração, evidentemente temendo que o município volte ao que era antes.

Bibiano se reelege prefeito de Serra do Mel com 3.496 votos de maioria


Com uma votação histórica, o prefeito Josivan Bibiano de Azevedo (PL) “Bibiano”, foi reeleito para comandar a Serra do Mel por mais quatro anos de mandato a partir de 1º de janeiro de 2021.

Bibiano obteve 6.001 votos (65,26% dos votos válidos) e garantiu a vitória numa votação histórica na política de Serra do Mel.

Por ironia do destino, a eleição que ocorreu no dia 15, neste domingo, Bibiano teve como principal opositor, o candidato e ex-prefeito Fabinho (MDB), que o número é 15, e obteve 2.505 votos (27,24% dos votos válidos), perdendo por uma maioria de 3.496 votos.

Ganha quem tem mais votos?

 Quando você quer vender um produto tem que trabalhar com uma boa propaganda, um bom marketing. Mas não quer dizer que um bom marketing trabalhe com ética, com a verdade. O Brasil inteiro, de norte a sul, apresentou peças publicitárias bem projetadas, bem elaboradas e que, ao final das eleições, conseguiram o resultado esperado. E volte-se a dizer: isso não significa que o melhor venceu. O vitorioso foi aquele que obteve mais votos, é óbvio. O que se medirá, a partir de janeiro, é a capacidade administrativa que o eleito ou a eleita terá. E é bom frisar que existem dois parâmetros para se conferir um bom gestor: o que pega a casa arrumada e o que pega muito por fazer.

Assim sendo, o prefeito eleito Allyson Bezerra (Solidariedade), deputado estadual na metade do primeiro mandato, terá que fazer jus à vitória obtida nas urnas. Não que ele não mereça ter sido o eleito. E sim pela trajetória politica, pouca, é verdade, de prometer e mão cumprir. A diferença é que Allyson vai pegar a casa organizada, sem muito a ser feito. Lógico que vai encontrar problemas. Pensar em uma administração, seja ela qual for e visualizar que seria perfeita, isso não existe. Mas não será, por exemplo, do jeito que Rosalba Ciarlini herdou da gestão que o próprio Allyson Bezerra apoiou em 2016. Embora tenha negado, com veemência, que teve ligações políticas com o “silveirismo”.

Por sinal, negar apoios e o próprio passado foi a marca da campanha do prefeito eleito de Mossoró. E ele apenas seguiu uma estratégia do seu marketing. O blog, cá com seus botões, reflete: uma mentira, por mais que seja por uma “boa causa” vai ser sempre uma mentira. No caso de Allyson Bezerra, ele já vai começar a administrar a segunda maior cidade do Rio Grande do Norte meio que desacreditado por boa parte dos cidadãos. E terá que se desdobrar para trabalhar a ideia de que, prefeito empossado, estará dizendo a verdade. Já é um começo complicado. Isso na esfera da moral. No campo administrativo espera-se que ele não tenha problemas, já que passou a ideia de que somente ele poderia sanar supostos problemas.


E negou, também, que tenha recebido o apoio do ex-governador Robinson Faria (PSD). Embora esse apoio estivesse mais que evidente na própria chapa, com a presença do empresário Fernandinho das Padarias (PSD). Uma indicação clara evidente de Robinson Faria. O apoio foi tão certo que logo após o anúncio feito pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) da vitória de Allyson em Mossoró, o ex-governador o parabenizou pelo feito. Certamente espera retorno em 2022, quando Robinson deverá disputar mandato de deputado estadual. A “lei” é clara, nesse sentido, e fazendo analogia a um ditado popular: “aqui se faz, aqui se paga.” Implica dizer que a fatura virá mais adiante. É aguardar.

Allyson Bezerra também fez “ouvido de mercador” para a situação provocada pelo seu candidato a vice-prefeito, que apareceu em lista do Tribunal de Contas da União (TCU) como beneficiário de cinco parcelas do Auxílio Emergencial. Mesmo sendo empresário epossuidor de patrimônio informado à Justiça Eleitoral em R$ 400 mil. Fernandinho até tentou explicar que tinha sido alvo de fraudadores. Não convenceu. Disse que tinha devolvido o dinheiro, R$ 3 mil, em 16 de setembro. Mas o pagamento foi efetivado somente em 10 de novembro. Bem depois. E, com isso, expôs grave problema de ordem ética e moral, da qual Allyson correu léguas e não disse uma palavra. Agora, prefeito eleito, espera-se que ele, quando assumir, seja transparente. Afinal, ele vai cuidar de um patrimônio que pertence a mais de 300 mil pessoas.

Também é bom frisar que Allyson Bezerra foi beneficiado pela onda de críticas exageradas feitas por setores da imprensa virtual de Mossoró contra a administração Rosalba Ciarlini. Blogs e portais com claros interesses financeiros e políticos, além de outros segmentos da comunicação. A prefeita Rosalba Ciarlini foi severamente criticada. E na maioria dos comentários, percebia-se outra leitura. E quando se pesquisava-se ligação de portais e blogs com políticos, seja institucionalmente, direta ou indiretamente, ali estava a suposta resposta para tudo. Não que não se possa fazer isso. Mas ficou tudo muito evidente.

E veio a campanha: Rosalba foi a preferida do ataque de três candidatos. Ela sabia que poderia ganhar ou perder. Até porque faz parte do processo eleitoral. E ganha, realmente, quem tem mais votos. E isso não quer dize que tenha sido voto consciente. A indução foi um dos elementos chaves para a vitória de Allyson Bezerra. Pesquisas atrás de pesquisas foram lançadas em Mossoró. É óbvio que o eleitor menos atento vai se deixar induzir por números. E, como já foi dito neste espaço: a matemática é uma exata, uma ciência exata, algo totalmente diferente dos números. Números podem não refletir alguma verdade. Mas podem auxiliar à sua aproximação. E terá sido esse exemplo que se viu em Mossoró.

Rosalba não sai derrotada. Pelo contrário: fez o que poderia fazer. Se o cidadão não compreendeu o que foi feito, em termos de recuperação administrativa, aí é outra história. Rosalba vai deixar a Prefeitura de Mossoró com recursos para obras. Assim como fez no Governo do Estado. E certamente deve deixar o cargo com a consciência tranquila de que deu o seu melhor para Mossoró. Esta é a opinião do blog.

domingo, 15 de novembro de 2020

Cinthia Sonale é eleita primeira prefeita de Grossos

Com a finalização das urnas em Grossos, a ex-vereadora Cinthia Sonale (PSDB) surge como nova liderança e foi eleita neste domingo a primeira prefeita de Grossos. Ela derrotou dois grupos políticos que se revezavam nas críticas à sua candidatura. Muitas ultrapassaram o âmbito político. Ela obteve 3007 votos.

O candidato apoiado pelo prefeito José Maurício Filho (MDB), o vereador Erasmo Carlos ( PC do B), obteve 2.520 votos. A vereadora Clorisa Linhares (PP), que foi beneficiada com pesquisas divulgadas no portal Mossoró Hoje, ficou na terceira posição, com  2.232 votos.

Cinthia tem como vice-prefeito eleito o professor Galego Caetano (PSB), irmão do ex-prefeito Veronilde Caetano.

Campanha de Allyson Bezerra é flagrada comprando votos



A notícia é séria, grave e problemática. Segundo o portal Mossoró Notícias,
 o candidato Allyson Bezerra (Solidariedade) está se beneficiando por meio de uma prática danosa em toda e qualquer eleição: a compra de votos. Segue o texto veiculado no portal: “A campanha do candidato Allyson Bezerra (Solidariedade) não resistiu a falsa verdade que ele apregoou durante o processo eleitoral e, neste domingo, a ficha caiu: depois de denúncia feita por populares a polícia se deslocou a uma casa próxima à Escola Estadual Aída Ramalho e ao campus do IFRN no bairro Costa e Silva, e constatou que estava ocorrendo compra de voto. No outro lado da cidade, perto da Escola Alcides Manoel, no bairro Redenção, mais comprovação de que o candidato Allyson Bezerra estaria usando de métodos danosos a democracia e se configurou, também, a existência de compra de votos.

A estratégia utilizada nas duas constatações era a seguinte: orientados pela coordenação da campanha do candidato Allyson Bezerra, militantes estavam entregando “santinhos” do candidato. O material estava sendo entregue em um saco plástico. Dentro dele, várias peças publicitárias, que em uma, enrolada, estava o dinheiro que compraria o voto do eleitor.


Alguns locais de votação apresentam concentração do candidato Allyson Bezerra, como o Aída Ramalho, Alcides Manoel e Everton Cortez. Como se constatou a veracidade da denúncia em dois pontos de votação, a notícia da existência de compra de votos em outras partes da cidade á está sendo apurada pelas autoridades competentes.

E a ação do candidato Allyson Bezerra contradiz totalmente as pesquisas que sua campanha divulgou nos últimos dias, cujos números apontariam para a vitória dele. Pela lógica, não faz sentido um candidato estar liderando e se se preocupar em comprar votos.”

sábado, 14 de novembro de 2020

Escândalo: candidato a vice de Allyson mentiu quando disse que tinha devolvido auxílio emergencial

O candidato a vice-prefeito de Allyson Bezerra (Solidadade), Fernandinho das Padarias (PSD), mentiu ao afirmar, quando o Tribunal de Contas da União (TCU) divulgou um alista com 110 mil empresários que tinham fraudado o auxílio emergencial e recebido algumas parcelas, mesmo sem ter direito. Fernandinho das Padarias é empresário e possui patrimônio estimado em R$ 400 mil. Diante do escândalo, ele divulgou nota, afirmando que teria sido vítima de fraudadores e que teria devolvido R$ 3 mil, fruto de cinco parcelas que recebeu. E expôs um documento, no qual consta o agendamento de pagamento, com data de 19 de setembro de 2020.

O deputado federal Beto Rosado divulgou vídeo no começo da noite deste sábado, no qual afirma que o candidato a vice-prefeito de Allyson não devolveu no período que informou. E abriu o endereço virtual do Ministério da Cidadania para comprovar o que estava afirmando. “Meus irmãos, peço a atenção de vocês, de forma urgente. Tem uma presepada, marmota, armada pelo candidato Allyson Bezerra e seu vice. Allyson tem patrimônio em mais de 600 mil, é o mais rico. Fernandinho tem mais de 400 mil. Anda de carro importado. Fernandinho pegou o dinhiero do auxílio emergencial e não devolveu”, disse o parlamentar.

E Beto Rosado completou: “foi descoberto agora no site do Ministério da Cidadania”, comentou, acrescentando que lá estava o nome de João Fernandes de Melo Neto como beneficiado de cinco parcelas do auxílio emergencial. E, segundo o deputado federal, a nota de pagamento, de ressarcimento do dinheiro à união, no valor de R$ 3 mil, fi gerada no dia 10 deste mês, terça-feira. “Cinco parcelas recebidas, totalizando R$ 3 mil. Foi devolvido terça-feira agora depois que a imprensa divulgou. Essa foi a intenção. É esse tipo de gente que queremos ter administrando o dinheiro do povo em Mossoró? Tem que ter gente honesta na Prefeitura. Vamos respeitar e falar a verdade”, disse Beto Rosado.

Mossoró e Rosalba, uma união que sempre dá resultados


As ações de Rosalba Ciarlini estão em todos os cantos de Mossoró. E sabe por que isso acontece? Se dá justamente porque a cidade tem uma prefeita que a ama, que a adora e que, por ela, faz tudo. Não é à toa que, se você olhar com atenção, praticamente tudo o que existe em Mossoró, de 1989 para cá, foi construído por Rosalba Ciarlini. Da zona norte à zona sul, leste e oeste, Rosalba está presente, seja com calçamento de ruas, construção de casas habitacionais, praças, Unidades Básicas de Saúde (UBS), Unidades de educação Infantil (UEIs), escolas. Se você olhar para a região do centro, verá o Teatro Municipal, Avenida Rio Branco urbanizada. Perceberá uma preocupação de Rosalba em deixar a cidade limpa e aprazível para ser uma das melhores cidades para morar e trabalhar, conforme tem sido publicado em revistas que analisam estas realidades.

A prefeita Rosalba Ciarlini trabalha com três verbos que, juntos, garantem o que pode ser visto em Mossoró: ampliar o que precisa, em termos de serviços públicos, seja em saúde, educação, cultura, lazer, esporte, entretenimento, moradia. Garantir que os serviços sejam executados com qualidade, atendendo, principalmente, as necessidades de quem precisa da atenção da Prefeitura Municipal. E transformar a realidade de todos, seja de quem mora na zona urbana ou rural.

E a junção desses três verbos pode ser percebida por onde você olhar. Em tudo vai estar a preocupação de Rosalba Ciarlini, que pensa, desde a sua primeira administração, em minimizar os problemas que assolam a cidade e a sua gente. E ela tem cumprido o que prometeu. Uma palavra de Rosalba é sinal de que o serviço vai acontecer, justamente porque ela sabe que não pode mentir para o cidadão, não pode causar falsa esperança a quem precisa do poder público.

Olhe à sua volta: do canteiro limpo, à rua asfaltada, passando pela infraestrutura garantida nas escolas e na melhoria da qualidade de vida das pessoas, tudo isso tem a presença direta da Prefeitura. E sabe quem está fazendo isso? É Rosalba Ciarlini. Das vezes que você a elegeu prefeita de Mossoró ela nunca decepcionou. E agora, na sua quinta administração, Rosalba já disse que vai fazer a melhor gestão da sua vida.

Já diz Santo Agostinho uma coisa “a esperança tem duas filhas lindas: a indignação e a coragem. A indignação nos ensina a não aceitar as coisas como estão e a coragem, a muda-las.” Rosalba se indignou ao se candidatar, pela primeira vez, por não aceitar que Mossoró estivesse em um patamar que não merecia.

E apresentou coragem para concretizar as transformações necessárias à segunda maior cidade do Rio Grande do Norte. E resultou em tudo o que você já conhece: teatro, urbanização da avenida Rio Branco, reforma e ampliação da Cobal, construção das Unidades de Pronto Atendimento (UPA’s), Ginásio Pedro Ciarlini, criação do Mossoró Cidade Junina, além de tantas outras obras e serviços que beneficiaram a vida dos mossoroense.

Rosalba Ciarlini foi responsável pela urbanização de 17 favelas na sua segunda administração. Mossoró estava com o que se chamava, à época, “bolsão de pobreza”. Ela atendeu o apelo popular e urbanizou as áreas subdesenvolvidas, garantido vida digna a centenas de famílias. A sua administração foi tão aprovada pela população mossoroense que ela conseguiu fazer sua sucessora em 2004 e Mossoró a projetou para ser senadora da República, onde lutou e reivindicou melhorias para sua cidade. O trabalho que desenvolveu no Senado também a credenciou para a disputa a Governo do Estado. Foi eleita em 2010. A ampliação da estrada que liga Mossoró a Tibau, por exemplo, se concretizou na gestão de Rosalba. O Hospital da Mulher que está em construção em Mossoró foi iniciado na gestão dela, que conseguiu recursos junto ao Banco Mundial para que houvesse enxurrada de obras no Rio Grande do Norte.

Em 2016 Rosalba foi eleita prefeita de Mossoró, atendendo pedido do povo, que não aguentava mais o sofrimento provocado pelo abandono da gestão que estava se encerrando naquele ano. Rosalba reconstruiu e resgatou a credibilidade de Mossoró, colocou o salário de servidores em dia, deixou a Prefeitura de Mossoró adimplente e apta a fazer empréstimos. Tanto que Rosalba conseguiu R$ 140 milhões junto ao FINISA para obras de pequeno, médio e grande porte. E é para continuar desenvolvendo sua cidade que ela agora pleiteia a renovação do mandato. Mossoró e Rosalba se confundem. Não dá para pensar Mossoró sem Rosalba. As obras que você vê, o desenvolvimento que é perceptível, tudo isso não seria possível sem ela. Rosalba é importante, essencial, para a segunda maior cidade do Rio Grande do Norte. Seja como cidadã ou como prefeita.

Todos aguardam, com celulares, o surgimento de almas na madrugada em Grossos

Todas as atenções, em Grossos, se voltam para o 'lobisomem" da madrugada. Ou de algum morto-vivo que perambula pelas ruas depois da meia-noite, tentando fazer o óbvio nestas eleições. No bairro Coqueiros, por exemplo, já tem gente de butuca, esperando se a "alma penada" aparece. Já se teria algum vídeo, gravado por forças jovens, que mostrariam a existência de um ser espectral saindo de alguma casa. E a mesma preocupação está em todos os bairros da cidade e também nas localidades rurais.

O fato é que ninguém quer ser surpreendido amanhã, ao final das urnas, com alguma presepada do além. Portanto, se algum ser do outro mundo, ou do submundo, estiver pensando em sair à noite, é bom saber que vai pegar um monte de gente preparada, com água benta, alho, cruzes, estacas e, principalmente, celulares que gravam, para receber a tal criatura com vento em polpa.

E parece que já existe algo acertado: quem gravar o surgimento de tal criatura das trevas vai divulgar em todas as redes sociais, além de enviar para análise de autoridades que estudam fenômenos que envolvem a paranormalidade e também a normalidade.

Principal proposta de Allyson para se eleger é a mentira

 O candidato Allyson Bezerra (Solidariedade) escancarou de vez que sua principal proposta para se eleger prefeito de Mossoró é a mentira. E mente sem medo de ser castigado. Sem medo de ir para o inferno. Sim, porque ele é evangélico e deveria prezar pela verdade, acima de tudo. Mas parece que a postura do candidato mudou. Ou melhor: a verdadeira postura dele apareceu na campanha. Principalmente agora na reta final, e a partir do momento em que percebeu que o eleitor já tinha descoberto de que ele, enquanto candidato, não era nada mais do que uma "fake news".

Agora na manhã deste sábado Allyson mentiu sem medo de nada. Disse que a prefeita Rosalba Ciarlini iria retirar ambulantes do centro. Disse que a prefeita iria aumentar impostos para taxistas e mototaxistas. disse que a prefeita iria fechar templos religioso. E seguiu na mentira: distribuiu o jornal AgoraRN, que é produzido em Natal, em cuja edição, datada de hoje e amanhã, veicula pesquisa que o beneficia. Ele não disse que o jornal tem ligações políticas com quem financia sua campanha.

Não disse que o jornal foi feito ontem, em Natal, que deveria ser impresso, pois sua distribuição é gratuita. Não disse quem trouxe os exemplares para Mossoró e quem pagou a impressão extra. Tampouco quanto custou o serviço. E se foi impresso em Mossoró, não disse onde o serviço aconteceu e quem o fez. E ao praticar essa ação, ele descumpre a Legislação Eleitoral, pois se trata de material distribuído por sua campanha que foge totalmente dos parâmetros orientados pela Legislação Eleitoral.

Um religioso que deixa claro que está disposto a tudo para se eleger, sinceramente, não merece a credibilidade que pensa ter. Ao mentir, por exemplo, já acaba com todas as diretizes e aos adjetivos que possam ser atribuídos a quem quer seguir a Deus e aos mandamentos que Ele deixou para os homens, de maneira ampla.

Allyson quer desequilibrar a eleição da maneira mais inadequada, aos olhos da lei, justamente para se beneficiar. E nem se importa se usa da mentira, do falso moralismo. Não está nem aí se está infringindo a Legislação Eleitoral. E mostra, assim, quem ele é. E se eleito prefeito, certamente passará por cima de todas as instituições que fazem parte da sociedade. Porque está fazendo enquanto candidato.

Ele certamente deve saber que poderá responder pelo crime de Caixa 2, por exemplo. 

sexta-feira, 13 de novembro de 2020

Pesquisa RF/Portal RN: Rosalba tem 42%, Allyson 32% e Isolda 12%

Pesquisa divulgada pelo Portal RN e realizada pelo instituto RF Consultoria, registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob o número RN-06636/2020, mostra os mais recentes números que analisam a corrida sucessória em Mossoró. A pesquisa foi realizada nos dias 6 e 7 passados, com a realização de 601 entrevistas nas zonas urbana e rural. A margem de erro é de 3,99% e a confiabilidade é de 95%.

Segundo os números da pesquisa espontânea, se as eleições fossem hoje a prefeita Rosalba Ciarlini (Progressistas) estaria reeleita com 42,3%. Em segundo lugar está o candidato Allyson Bezerra (Solidariedade) com 31,8%, seguido por Isolda Dantas (PT), com 12,1%, Cláudia Regina (Democratas, com 6,6%). A candidata Irmã Ceição (PTB) está com 0,5%. O candidato do PSOL, professor Ronaldo Garcia, não pontuou. Os eleitores que não souberam responder são 6,6%.

A intenção de votos na pesquisa espontânea divulgada em votos válidos e a estimulada em votos votais.

Na pesquisa estimulada, a prefeita Rosalba Ciarlini também se reelegeria com 42%. Allyson Bezerra surge com 32%, seguido por Isolda Dantas (13,3%), Cláudia Regina (6,8), Irmã Ceição (0,2%). O professor Ronaldo Garcia não pontuou. Não sabe ou não respondeu soma 3,8%. Votos brancos ou nulos totalizam 2%.

quinta-feira, 12 de novembro de 2020

Instituto TS2 é acusado de alterar registro e plano amostral de pesquisa

 

A farra das pesquisas eleitorais em alguns municípios do Rio Grande do Norte está levantando questionamentos jurídicos acerca da veracidade dos números que estão sendo divulgados. Primeiro foi o instituto AgoraSei que começou a ter sua credibilidade ameaçada justamente pela falta de transparência em algumas sondagens eleitorais. E agora é a vez do instituto TS2 seguir o mesmo caminho. Tanto que em Assú a coligação  “A União que o povo quer” está buscando os caminhos jurídicos para ter acesso à metodologia utilizada para a coleta de dados que acabariam beneficiando a candidatura de Ivan Júnior.

Segundo material veiculado no portal Notícias do Vale, a coligação “A União que o povo quer” questiona justamente o fato do instituto TS2 ter alterado o registro de pesquisa, visando substituir o plano amostral e o número de entrevistas. A coligação disse ainda: “Há informações correntes de que, apesar da propalada exclusividade com o sistema TCM, o mesmo instituto teria realizado pesquisa em Assú, há poucos dias da publicada ontem, e que teria sido contratada por empresários do setor ceramista grupo do qual faz parte o candidato a vice-prefeito da chapa opositora. Primeiro, indagamos se essa informação é verdadeira. A população de Assu precisa saber se o TS2 foi realmente pago por ceramistas para realizar pesquisa em nossa cidade poucos dias antes da pesquisa oficial da TCM. É imperioso saber quem contratou, quem pagou, por que houve a quebra da exclusividade da TCM e qual foi o resultado da referida pesquisa.” A ação judicial ajuizada na quarta-feira, 11/11.

A regra, quando se percebe a existência de casos como esses, é de que se aconteceu problema em um município, fatalmente haverá vícios em pesquisas feitas em outras cidades. E teria um único objetivo: atender a alguma especificidade. Só não se sabe qual. Por isso a necessidade se buscar o suporte da Justiça para que as dúvidas sejam sanadas e haja transparência na divulgação dos números.

você votaria?

Sendo bem direto: não vote em Allyson Bezerra (Solidariedade). Não se trata de um conselho. Mas de um aviso. Um candidato que não apresenta nenhuma palavra sobre o que cometeu seu candidato a vice-prefeito, que teria se beneficiado - direta ou indiretamente - do auxílio emergencial, ao ver do blog, não tem nenhuma capacidade moral para administrar um município. Seja ele qual for. Caso vença as eleições, Allyson já está deixando claro que não vai prestar contas de nada, não vai explicar nada e que seria superior a tudo e a todos.

E não se trata aqui de nenhuma perseguição. É com base em fatos. Por quais motivos um candidato que possui uma Trailblazer iria andar de carroça na zona rural, com um chapéu de boiadeiro sobre a cabeça? Obviamente que se trata de algo forjado, criado, pensado, maquinado e formulado com o claro objetivo de fazer o eleitor ter pena, piedade e, assim, votar nele.

Seja sincero: você votaria em um candidato que forja um choro para passar a ideia de que estaria sendo perseguido? Você votaria em alguém que expõe a própria família para passar a imagem de que é sofredor? Você iria expor um irmão que é mais que especial apenas para fazer com que as pessoas sintam pena e votem nele? Foi justamente isso o que o candidato do Solidariedade fez. Ninguém, absolutamente ninguém, sabia que Allyson tinha um irmão que precisasse de cuidados e atenção redobrados.

Você votaria em um candidato que fantasiou ter estudado em uma escola de taipa para apenas passar a ideia de que é um coitado e que teve uma infância/adolescência repleta de miserabilidade? Você perderia seu tempo com alguém que diz uma coisa e pratica outra totalmente diferente?

Não se faz aqui nenhuma crítica ao cidadão Allyson Bezerra. E sim ao político. E, como político, ele é passível de críticas. Afinal, passa a ser um espelho a ser seguido. Você quer viver em uma sociedade onde a prática comum é a mentira? 

Política é coisa séria. Trata-se da vida de mais de 300 mil pessoas que estão em jogo, em risco. Em nome de alguns trocados ou com a possibilidade de lucrar milhões mais adiante, algumas pessoas vendem até a alma. Vejam as pesquisas que se lançam no mercado. Sabe-se que toda empresa privada almeja lucro. Não faz sentido algum pensar de outra maneira. E com uma emissora de rádio, TV, ou seja lá o que for, não seria diferente.

Allyson perdeu uma excelente oportunidade de se apresentar como opção. Mas deixou-se levar por caminhos obscuros da política. Deixou-se ser conduzido por quem está preso algum passado e que pensa ainda ter domínio sobre muitos. Como ocorreu décadas passadas.

O candidato de 2018, que se projetou nas redes sociais como nome à Assembleia Legislativa, até tinha futuro. Mas as palavras ditas naquele tempo se perderam. Assim como as que são ditas nesta campanha: o vento levou. O que fica é uma imagem depauperada de alguém que está disposto a tudo para concretizar um projeto pessoal, particular, em detrimento da coletividade. e só. 

terça-feira, 10 de novembro de 2020

Allyson se esquiva de comentar sobre corrupção

O candidato Allyson Bezerra (Solidariedade) se esquiva de responder sobre caso de corrupção na própria chapa, em uma clara afirmação que, se eleito prefeito nas eleições deste ano, não dará nenhum cabimento a quem questionar, moral e eticamente, alguma ação sua como representante do Executivo. Foi o que ele deixou claro ao deixar evento realizado pela OAB de Mossoró, que tratava justamente sobre corrupção, e onde os candidatos assinaram documento, se comprometendo a combater práticas danosas ao serviço público. Ele se mostrou incomodado o tempo todo. Assinou e deixou o ambiente sem falar com ninguém. O evento, promovido pela OAB e o Movimento Articulado de Combate à Corrupção no Rio Grande do Norte (Marcco), ocorreu nesta terça-feira, 10/11. 

Até agora Allyson Bezerra não disse uma palavra sobre o que cometeu o seu candidato a vice-prefeito, Fernandinho das Padarias (PSD), que se beneficiou com cinco parcelas do auxílio emergencial do Governo Federal. O auxílio foi pensado para atender a quem estava passando necessidade e até fome. Não era o caso do vice de Allyson, que é empresário bem sucedido e tem patrimônio estimado em R$ 400 mil.

O empresário até tentou se explicar. Mas, como se diz, a emenda saiu pior que o soneto. O candidato a vice-prefeito de Allyson Bezerra disse que teria sido vítima de fraudadores. Mas não apresentou o Boletim de Ocorrência, que geralmente se faz quando a pessoa é vítima desse tipo de crime.

Além disso, disse que alguém teria pego seu CPF e o número de uma conta corrente inativa, onde as parcelas do auxílio emergencial foram depositados. O estranho é que as parcelas teriam começado a ser depositadas em maio. E Fernandinho das Padarias ressarciu o valor de R$ 3 mil à União em setembro. Cinco meses depois e posterior à data de sua homologação como candidato a vice-prefeito de Allyson Bezerra.

Depois que o caso foi divulgado pelo Tribunal de Contas da União, Fernandinho das Padarias não discursa mais nos atos políticos da campanha. E Allyson Bezerra se mostra indiferente ao fato cometido pelo seu candidato a vice-prefeito. Na leitura que pode ser feita é que Allyson Bezerra é conivente com a prática danosa praticada pelo seu candidato a vice-prefeito e que, na pior das hipóteses, em caso se eleição, também ficará indiferente a casos de corrução que possam acontecer em seu governo.

segunda-feira, 9 de novembro de 2020

Allyson mente ao afirmar que estudou em escola de taipa


Quando foi dito, no primeiro debate envolvendo todos os candidatos à Prefeitura de Mossoró e realizado pela TCM, que tudo em Allyson Bezerra, deputado estadual e candidato do Solidariedade à Prefeitura de Mossoró, era criado, forçado, fruto de uma mentira e chegou-se a questioná-lo se ele não seria o “Silveirinha 2.0” devido ao nível de falsas verdades apresentadas na campanha, a ligação entre um e outro não foi em vão. Allyson disse que seu passado é de sofrimento e de necessidade na zona rural e costuma citar o Sítio Chafariz. E nessa localidade tem um equipamento público que desconstrói a historia de mentira apresentada pelo candidato do Solidariedade.

Em um de seus vídeos lançados durante a campanha, ele informa que nasceu no Sítio Chafariz e que estudou na Escola Municipal de 1 Grau Chafariz I. Disse que o seu tempo de estudo na educação básica foi problemática e que a escola era de barro. Mas ocorre que a referida escola realmente era de taipa. Mas antes da primeira gestão de Rosalba Ciarlini na Prefeitura de Mossoró. Esta unidade de ensino passou a ser totalmente de alvenaria no ano de 1990. Dois anos depois é que Allyson nasceu. Fazendo as contas, já que ele tem 28 anos, só pode ter nascido em 1992. Portanto, a escola já era de alvenaria. E com isso chega-se à certeza de que Allyson Bezerra mentiu ao dizer que estudou escola de taipa, de barro.

Allyson Leandro Bezerra da Silva começou a estudar na Escola Municipal de 1 Grau Chafariz I no ano de 2001, fazendo parte da turma única, do turno vespertino, aos 9 anos de idade.

E assim cai por terra mais uma “Fake News”, notícia falsa, que o candidato do Solidariedade apresenta ao eleitor mossoroense, deixando claro que ele está disposto a inventar tudo, a criar mil e uma realidades para apenas fazer valer o seu desejo, único e pessoal, de ser prefeito de Mossoró. Mas não é com mentiras que se constrói uma carreira política. É só prestar atenção nos vídeos que ele fez campanha de 2018 para se afirmar que nenhuma promessa que ele fez, até agora, se concretizou. Em outras palavras, mentiu para apenas ser eleito deputado. Assim como mente agora e está enganando o eleitor sem nenhum arrependimento.

sábado, 7 de novembro de 2020

Porque o povo se engana tão fácil?

O que você faria com R$ 1.800,00 ou R$ 3.000,00? Para quem estava passando, ou ainda passa, necessidades e recebesse o auxílio emergencial nesse valor, certamente a resposta seria uma só: comprar comida e, depois, pagar algumas contas. Mas será que alguém que possui patrimônio de R$ 400 mil precisaria desse dinheiro que não fosse para engordar, ainda mais, sua conta bancária? A resposta também seria única: realmente para aumentar  o patrimônio que já se tem. Essa talvez tenha sido a intenção do candidato a vice-prefeito de Allyson Bezerra (Solidariedade), Fernandinho das Padarias (PSD), ao se inscrever no programa Auxílio Emergencial e ter recebido, em sua conta bancária, um dinheiro que, definitivamente, ele não teria direito.

O candidato a vice-prefeito de Allyson Bezerra aparece em lista divulgada pelo Tribunal de Contas da União (TCU), composta por 10 mil candidatos nestas eleições e que não teriam direito a receber a ajuda financeira do Governo Federal.

A resposta para o título acima, “Porque o povo se engana tão fácil”, remete ao discurso fácil que algumas supostas lideranças políticas pensam ter. E usam palavras que acabam, de alguma maneira ou de outra, sensibilizando aquele cidadão acaba sendo fisgado por explicação que não se sustenta, mas que, por se tratar de uma suposta liderança, acaba tendo o peso de uma resposta. Ocorre que o que o candidato a vice-prefeito de Allyson Bezerra não disse foi uma coisa: o que ele faria com o dinheiro que recebeu do Governo Federal?

O candidato a vice-prefeito de Allyson Bezerra, mesmo sabendo que não tinha direito a receber o auxílio emergencial, se inscreveu. E recebeu. E, com isso, tirou a chance do trabalhador autônomo, da dona de casa que sustenta, sozinha, seus filhos, do pai de família que ficou desempregado no começo da pandemia. E, por tabela, a ação do vice-prefeito de Allyson Bezerra talvez tenha deixado algumas famílias sem ter o que comer, sem ter como comprar o básico ou sem ter como honrar um simples compromisso.

É que, na sanha e na ânsia de ter mais, mesmo já tendo muito, ele não pensou no próximo. Não pensou em quem realmente precisa. Não pensou nas consequências que a sua ação representaria em uma sociedade tão castigada pelas desigualdades sociais e onde patrão vai sempre querer ter mais. E agora que a ação dele faz sentido: ele é patrão, é empresário e tem um patrimônio considerável. Quer apenas deixar quem tem menos com bem menos ainda. E só.