terça-feira, 22 de janeiro de 2013

O problema está dentro da UERN

A sucessão na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) pega fogo. Os professores Gilton Sampaio, Pedro Fernandes e Ana Dantas estão na disputa da Reitoria, ocupada hoje pelo professor Milton Marques de Medeiros. E surgem as mais variadas propostas, mas todas se voltam para um só: resolver os problemas da instituição.

O que se evidencia é que, até agora, nenhum reitor conseguiu mudar o cenário. Algo que, efetivamente, não procede. Cada reitor administrou em período diferente. Foram questões diferentes. Contudo, as mesmas questões se voltam agora. O blog cita só uma: autonomia financeira.

Dizem que o Governo do Estado é o principal causador dos problemas da UERN. Algo que o blog não enxerga. Os problemas da UERN são internos. Não adianta apontar culpados fora da instituição se os que estão dentro não são identificados. É só uma questão raciocinar direitinho.

A UERN hoje tem um orçamento que beira os R$ 200 milhões. Quanto vai para a folha de pessoal? O blog ousa dizer que quase tudo, embora não tenha conhecimento da causa. É que a instituição cresceu e a necessidade de pessoal se fez urgente. Mas existem fatores que poderiam ser coibidos dentro para não se correr o risco de se apontar culpados fora.

Existe, por exemplo, departamentos em excesso. Na Faculdade de Serviço Social, apenas um curso. Não faz sentido se ter a Faculdade, o diretor desta e outro diretor para o Departamento. O mesmo se volta para faculdades que contam com apenas um curso: Faculdade de Educação Física, Faculdade de Serviço Social, Faculdade de Direito, Faculdade de Educação (que se apresenta apenas com o curso de Pedagogia).

Como se vê, algo que poderia ser melhor ordenado e estruturado para se evitar desperdício de pessoal e de dinheiro público. Essa economia poderia se voltar ao custeio, por exemplo. Claro que o blog não sabe quanto a UERN usa para manter departamentos, quanto paga a chefes e diretores. Mas, sem dúvida, é algo que merece ser pensado e discutido.

2 comentários:

Sebastião disse...

Caro Edilson, algumas considerações:
1) a gratificação de um diretor é R$ 3.000,00(FG1) e pode ser conferida em: http://www.uern.br/controledepaginas/proplan-legislacao/arquivos/0539lei_complementar_473_2012_correcao_salarial_uern_2012_a_2014.pdf.
2) Essa situação já foi discutida e muito e está contemplada no novo estatuto que não está em vigor por estar sob júdice.
3) A folha da UERN é alta porque ela agrega servidores da ativa e aposentados.
4) Reduzir o problema do orçamento da UERN a cortar meia dúzia de cargos e afirmar que o problema é interno é ter uma visão muito simplista de uma instituição tão grande e complexa como a UERN na qual você mesmo trabalhou durante alguns anos.
5) Racionalizar os gastos é um exercício que deve ser diário e constante, o problema do orçamento é que o curso não se mantém só com professores, mas precisa de materiais, bolsas para estudantes, transporte, energia, água... e enquanto houveram ganhos salariais, o orçamento de investimento e custeio tem se mantido estático ou diminuído.

Edilson Damasceno disse...

NOTA DO BLOG:

Caro Sebastião, em nenhum momento o blog falou em reduzir orçamento. O eixo que se trata é a ausência de planejamento estrutural, o qual possibilita algo que você falou: recursos para pagamento de bolsas... Por sinal, alguns alunos aguardam receber suas bolsas. Muitos deles já concluíram os cursos e até agora nada de pagamento.