sábado, 12 de setembro de 2020

Bianca de Styvenson é condenada por estelionato e retira candidatura a prefeitura


Na mesma semana em que teve o nome oficializado para disputar a Prefeitura de Mossoró, Bianca Negreiros, a Bianca de  Styvenson como já era chamada em seu material de propaganda, com o aval do  Senador Styvensson Valentim que emprestou seu nome à candidata,  foi do céu ao inferno . Foi apontada pelo presidente estadual do Podemos, senador Styvenson Valentin, que a apresentou como capacitada, íntegra  e ética para assumir a Prefeitura de Mossoró. Em entrevista à rádio Difusora em tom raivoso, com testa franzida e dedo em riste, Styvenson mandava o eleitor pesquisar o nome dos candidatos a prefeito de Mossoró no Google, o mesmo ele não havia feito, ou feito de forma que não percebeu a condenação em 2001 da sua Bianca de Styvensson . Poucos dias depois, eo senador a expôs nas redes sociais, externando algo que ele deveria ter visto antes de definir que Bianca representaria o seu nome e seu partido nas eleições deste ano em Mossoró. Na mesma entrevista, o famigerado Senador chegou a dizer que era , segundo ele, “imbecil” quem criticava o seu partido, o Podemos do ex-tucano Álvaro Dias.

O fato é que  Bianca Negreiros foi condenada em processo tramitado em julgado na Justiça Federal, no qual se apreciou a conduta antiética que ela teve em agir por estelionato contra a Receita Federal. É que Bianca, segundo o processo de número 0001564-98.2013.4.05.8401, ela forjou declarações do Imposto de Renda, inserindo beneficiários inexistentes para ter direito fraudulentamente à restituição do imposto. Pelo crime cometido, ela foi condenada em última e decisiva instância a dois anos, dois meses e 20 dias de reclusão, pena revertida prestação  de serviço social ao Abrigo Amantin Câmara.

Esse fator mostra que o senador Styvenson se mostra meio perdido ainda nas questões políticas e evidencia que suas decisões são sem planejamento, o que é impensável. Há 5 dias atrás ele tinha chegado em Mossoró com uma palmatória, um porrete de madeira escrito “peia na corrupção” e entregava à Bianca que já havia sido condenada pelo crime já citado. Ambos posaram para as fotos com sorriso no rosto. Sim, se ele resolve, de uma hora para outra, indicar e apoiar uma pessoa para a disputa majoritária sem mal saber quem é aquela pessoa, implica dizer que o senador do Podemos age apenas por impulso, por mídia e não sabe atrair bons quadros ao seu partido, o que é altamente perigoso em um sistema democrático, no qual uma eleição é o seu ápice.

Não é de se estranhar se, mais adiante, o senador Styvenson vir a público, especificamente em Mossoró, e afirmar que agiu eticamente, tentar inverter o episódio de forma midiática como tem se mostrado um especialista. O episódio também mostra como é arriscado em pleno ano de 2020 acreditar naqueles que se dizem salvadores da pátria, Bianca de Styvenson e o próprio Styvenson fizeram isto mais uma vez. O episódio faz lembrar Collor, o caçador de marajás, lembra ainda no plano municipal as frustrações em Natal com Micarla de Souza e em Mossoró, com o ex-prefeito Silveira Júnior, que dizia ser uma quebra de paradigmas na política local.

Fonte: www.mossoronoticias.com.br

Nenhum comentário: