quinta-feira, 13 de agosto de 2020

Tenha cuidado com o assitencialismo barato

 É bom as autoridades eleitorais ficarem de olhos abertos para algumas práticas danosas ao processo democrático deste ano em algumas cidades pequenas da região Oeste. É que, em nome de suposta ação que visa garantir acesso da população, principalmente, à saúde, o pleito pode, seguramente, ser desequilibrado.

É que está em prática a velha tática do assistencialismo, comumente confundido com boa vontade em ajudar. Mas, na verdade, trata-se apenas de encenação que visa o proveito político. Principalmente neste período.

Projetos que aparecem como alternativa viável para apresentar à população esses mecanismos não são novidades no cenário político brasileiro.

E aproveita-se da falta de conhecimento das pessoas para passar a ideia de que agora, as pessoas que estão coordenando as ações, direta ou indiretamente, são a famosa salvação para os problemas do município. Pura enganação.

Outra coisa que o eleitor deve ficar atento diz respeito às frases feitas, como "ah, fulano é tão bom ou boa que abriu mão do seu salário para tal instituição." Não se engane: ninguém vai fazer isso sem pensar nada em troca. Ninguém mesmo.

Até, por exemplo, pagamento do Imposto de Renda alto pode estar por trás de uma afirmação como esta. E também desconfie muito quando algum pré-candidato ou pré-candidata afirma que abrirá mão salário de prefeito ou prefeita. Se o candidato ou candidata for servidor público, certamente o salário (como servidor efetivo) é bem maior. E como não poderá acumular, passa esse desdobro para a população.

Portanto, quando você ouvir em sonhos, em construção de algo coletivo duvide muito. O que está por trás é apenas o interesse particular em detrimento do coletivo. E usa-se todas as formas possíveis para que tal ideia seja propagada a fim de apenas enganar você.


Nenhum comentário: