terça-feira, 6 de março de 2018

Para Flávio Rocha, é hora do Liberalismo

Embora seja evidente que o empresário Flávio Rocha esteja de olho nas eleições presidenciais deste ano ao defender o ideário de liberdade econômica prevista no modelo político que vem do Liberalismo, o movimento Brasil 200, segundo ele, não tem essa pretensão, tampouco serviria de trampolim para candidaturas. O empresário esteve ontem em Mossoró, quando lançou o movimento, e afirmou que existe espaço para a ideia liberal. Segundo ele, os países que seguem o socialismo estão fadados ao não crescimento econômico neste ano e que o Brasil tem tudo para seguir com algo que o cidadão já defende nas ruas, que é o crescimento da economia e o fortalecimento do próprio estado.

Ele afirmou que o movimento Brasil 200 não projeta candidaturas. Não agora. E aqui vai uma observação do repórter nesse sentido, até porque não se permite divulgação de projeto político fora do período eleitoral. O movimento se configura como um grande impulso para ideias políticas que seguem a vertente econômica.

Daí, nesse sentido, Flávio Rocha defender o Liberalismo. Segundo ele, sem sombra de dúvida, o sistema político e econômico liberal está em evidência mais do que nunca. “Os países que deram certo foram os de liberdade econômica. Não tem outra maneira de gerar riqueza senão a de liberar a condição que existe em cada um de nós, trabalhadores, da livre iniciativa. É o momento do Liberalismo. Veja você: hoje, quatro países não vão crescer neste ano: Cuba, Venezuela, Coreia do Norte e Bolívia. São quatro socialistas. É a prova que o socialismo, que é o contrário do liberalismo, é uma ideia ultrapassada e que só gerou pobreza e pior, que não convive com democracia. É o momento de a gente dar um choque de liberalismo no Brasil”, disse.

Para Flávio Rocha, o objetivo do Brasil 200 é o de resgatar a condição do Brasil de competir. “(O Brasil) Está perdendo o bonde da história. Estamos em 153° lugar entre os países mais hostis ao investimento e isso é a causa maior da crise que se vivencia e da perda da condição de competir. Acreditamos que o conflito não entre capital e trabalho, entre ricos e pobres. Entre Nordeste e Sudeste.”

O empresário raciocinou que o que determinará a eleição deste ano, talvez a mais importante da história brasileira, é o conflito entre os que produzem, que são 98% da população, em uma grande aliança entre trabalhadores e empregadores, e os que se apropriaram do Estado brasileiro. “Uma pequena burocracia tóxica, uma aristocracia burocrática se apropriou do Estado em benefício próprio e isso representa praticamente 50% do esforço de produção nacional. 50% entra no sumidouro, no poço sem fundo do Estado gastador, perdulário, que não produz nada e ainda que atrapalha imensamente quem quer produzir”, comentou.


E ele continuou, mesmo dizendo que o movimento não tem caráter político: “Estamos percorrendo o Brasil inteiro. A principal agenda é redesenhar o Estado brasileiro, que está gordo, balofo, atrofiado. O Governo existe para servir a maioria dos usuários. A gente vê no noticiário que o Estado brasileiro se encimesmou para dentro de si, para seus privilégios, seus supersalários, seus auxílios moradias, com privilégios absurdo. O Estado, que deve projetar a distribuição de renda, virou Robin Hood às avessas. Ele tira do mais pobres para financiar os mais privilégios deste país.”

Nenhum comentário: