domingo, 4 de maio de 2014

Aviso a Henrique, Garibaldi, Wilma e João Maia foi dado

Quer recado mais claro e direcionado? A vitória de Francisco José Júnior (PSB) cobre Larissa Rosado (PSB), com maioria superior a 31 mil votos, evidenciou mais do que a negativa do eleitor em aceitar "gato" por "lebre". Foi um aviso ao ministro da Previdência Social, senador licenciado Garibaldi Alves Filho (PMDB), ao presidente da Câmara Federal, Henrique Eduardo Alves (PMDB), à ex-governadora Wilma de Faria (PSB) e ao deputado federal João Maia (PR): o acordão que se criou para outubro não terá efeito algum. Fosse diferente, agora Larissa seria prefeita de Mossoró. Mesmo com seu registro de candidatura em análise no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Mas isso não aconteceu.

E sabem o motivo? O eleitor mossoroense externou que não existe mais aquela coisa de "grande líder" que faça com que o voto seja movido conforme interesses pessoais. Evidentemente que todo mundo sabia que o projeto apoiado pelo PMDB não vingaria em Mossoró. Caso Larissa tivesse sido eleita... Bom, mas não foi. E não adianta conjecturar sobre o que não aconteceu.

E é sobre o que não aconteceu que o PMDB estadual deve refletir. Somando-se o resultado da eleição suplementar de Mossoró às vaias direcionadas a Henrique Alves, o blog diria que o PMDB não está com tanta sorte para pensar em projeto político vitorioso e a base de WO.

Falta combinar. E foi pela ausência de combinação com o eleitor que aconteceu o que aconteceu. Não adianta mais insistir em projetos pessoais que não acrescentam nada na vida do cidadão comum. Todo mundo sabia que a postulação de Larissa, mesmo em situação jurídica complicada, era um projeto pessoal. O mesmo, diga se de passagem, do de Henrique Eduardo Alves. Até agora o presidente da Câmara Federal não disse a que veio. E a não ser os cestos que ele apresenta em sessões da Câmara dos Deputados, de cerrar os dentes, não se tem notícia de algo que beneficie o coletivo.

Mas voltando ao aspecto de Mossoró: o PMDB, enquanto insistir na tecla de ser escada, crê o blog, nunca será maior do que é. E agora o PSB foi incluído: se deixou ser escada do PMDB estadual. Mas o aspecto local se sobressai. É igual àquela história de que o menor engoliu o menor.

Isto posto, é hora de se repensar acordões da vida. De buscar no passado falhas que não devem ser repetidas no futuro. Mas parece que esse povo, já passado na 'casca do alho', no que diz respeito ao fazer política, só sabe olhar ao passado para não esquecer de repetir os mesmos erros.

Nenhum comentário: