sexta-feira, 15 de março de 2013

Gilton e Lúcio ouvem demandas de motoristas e equipe de apoio


Fome, horas corridas sem descanso, punições, ameaça e medo. Essas são algumas das palavras que estão no repertório de alguns motoristas da UERN. Questões muito mais presentes do que as reclamações salariais. Durante toda a campanha, os candidatos Gilton e Lúcio conversaram com esse segmento e ouviram coisas beiram a “barbaridade”.

Na manhã da quinta-feira, 14, Gilton e Lúcio se reuniram com esses segmentos no auditório da reitoria para tratar das propostas de campanha e reafirmar os compromissos com a categoria. Os profissionais revelaram situações críticas como a falta de manutenção nos veículos e até o extremo de passar o dia na estrada sem comer. Para piorar, tem deles sendo responsabilizados pelo sumiço de peças de veículos que nem sequer estão sob sua responsabilidade.

Há pelo menos dois anos, esses profissionais não recebem regularmente as suas diárias e, sem as ajudas de custo, eles afirmam que não têm como se manter. O assunto já foi amplamente debatido, discutido e cobrado, mesmo assim não houve avanço.

O encontro contou ainda com a participação de alguns servidores das equipes de apoio. De acordo com representantes, os profissionais que trabalham como auxiliar de serviços gerais, vigilantes, copeiras, pedreiros e em outros setores, reclamam da falta de material de expediente e segurança no trabalho. As questões salariais também foram amplamente debatidas nos últimos dias.

PROPOSTAS          
Em sua carta-programa, Gilton e Lúcio garantem o pagamento de diárias aos motoristas e de planejamento de cronograma de viagens que possibilite o descanso necessário à segurança nas estradas e criação de espaços, em todos os campi, para repouso de motoristas em trânsito.

À equipe de apoio, a proposta é garantir melhores condições de trabalho, com reforma nas estruturas físicas dos setores, climatizando os espaços e adquirindo equipamentos modernos e funcionais para atuação dos técnico-administrativos. Também adquirir equipamentos suficientes de segurança pessoal (EPI, de higiene e de primeiros socorros) para o exercício das atividades realizadas pelo pessoal de apoio.

A carta programa garante ainda incentivo à capacitação dos técnico-administrativos, em todos os níveis de ensino, considerando a especificidade e nível de formação, com garantia de afastamento parcial e/ou total para capacitação e lotação em funções que valorizem sua formação. Além disso, os candidatos vão lutar por uma equiparação salarial com as universidades federais, a exemplo do que aconteceu com os professores.

Nenhum comentário: