terça-feira, 3 de maio de 2011

‘As menina lá de casa estão tudo com a murrinha’

A cultura de algumas cidades interioranas é interessante e, na maioria das vezes, segue em último plano. São pessoas que possuem uma verve para o humor, poesia e outras artes. Do improviso, principalmente.

Pois bem, nas minhas andanças quando fazia reportagens para o Caderno Estado mantive contatos com todo tipo de gente. De intelectuais ao trabalhador rural. Do rico ao mais humilde. Em Grossos, na região salineira do Oeste potiguar, dois casos envolvendo a mesma pessoa, chamaram a atenção.

Foi no bairro Coqueiros, tido como berço de gente rica em tiradas humorísticas. A história foi contada pelo radialista Carlos Alves, entre um gole e outro de cerveja, na casa de Cláudia Alves, onde a boa comida “troa” – de ensopado de peixe à famosa e saborosa mão-de-vaca.

Entre um gole e outro, Carlos Alves vai dizendo as proezas do popular “Bibi”. O primeiro fato foi perante um juiz, em Areia Branca. No auge das discussões com a mulher, ele resolve se separar e, para oficializar o ato, chega a tão esperada audiência.

Na famosa pergunta sobre os bens que o casal tem a dividir, a resposta: “temos o rio”, disse Bibi, para o espanto do juiz que, incrédulo com a direta, reformula a pergunta, ao que Bibi rebate: “só temos o rio para pescar. Ela fica com uma metade e eu, com a outra”. Se houve a separação, ninguém sabe.

Outra história é mais recente. Ocorreu em 2008, nas eleições municipais. Em plena campanha eleitoral, eis que Bibi interpela o ex-prefeito Francisco das Chagas de Oliveira, o Duquinha, na rua para dizer que tem uma música. Claro que tinha em mente conseguir uns trocados pela obra. Duquinha fica interessado e diz que vai ouvir a tal composição à noite.

“Bibi, se a música for boa, coloco ainda hoje na rua”, disse Duquinha, que era candidato a prefeito. E chegou o tão esperado momento. O político vai logo querendo ouvir a música e Bibi desembesta a cantar: “...As menina lá de casa estão tudo com a murrinha/eu voto é com Duquinha/eu voto é com Duquinha...” Panos quentes e Duquinha não se controla. Deixa Bibi com uns trocados pela composição e o resultado das urnas não é outro: o ex-prefeito obteve pouco mais de 300 votos.

Também com uma composição dessa...

Um comentário:

Lênin Tierra disse...

Sensacional, Edilson!!Muito bom mesmo! Bibi já faz parte do folclore de Grossos. Suas histórias "inenarráveis" dariam um livro com certeza.Seria o registro da espontaneidade e alegria da gente daquela terra.