sábado, 12 de outubro de 2019

Atirar pedras quando se tem o telhado de vidro é complicado

A ânsia de aparecer, politicamente falando, tem lavado uns e outros a incorrer em erro histórico e ético. Fala-se aqui das críticas exacerbadas que têm sido direcionados à prefeita Rosalba Ciarlini (PP). É certo que a administração municipal tem enfrentado problemas. Mas é preciso enxergar o cenário de maneira ampla. Mirem, por exemplo, o Governo do Estado ou o Governo Federal. Qual deles disse ainda a que veio, mesmo passado quase 10 meses de gestão?

Mossoró não está assim tão "bem das pernas", financeiramente falando, para que os adversários políticos da prefeita Rosalba Ciarlini saiam, agora, soltando verborragia aos ventos com o único objetivo de ser a voz dos carentes, desamparados e desassistidos pelo poder público municipal.

Tudo parece ser fácil, na boca de quem diz, e principalmente em ano pré-eleitoral, que quem está no Governo é inapto, incompetente. São palavras comuns nos dias atuais. Já diz o ditado que falar é fácil. Criticar, mais ainda. Olhem o Governo Fátima Bezerra: ela passou anos e anos atirando pedras nos governos e, agora que é o telhado de vidro, sente o peso das pedras atiradas no passado.

Fátima Bezerra, por exemplo, falou muito do governo Robinson Faria, acerca do salário em atraso da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). E ela já pagou os que estavam em atraso? Claro que não. Daí seus seguidores, aliados, simpatizantes, adeptos e demais adjacentes deveriam analisar o que falam para evitarem o vexame.

Sim, porque já está veio. Para falar de alguém é preciso fazer o dever de casa. E será que o PT está fazendo o seu?

Nenhum comentário: