segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Que 2012 fique de exemplo para Mossoró

Que 2012 sirva de lição. Não apenas para Mossoró, que perdeu sua representatividade na Assembleia Legislativa e reduziu sua participação na Câmara Federal pela metade. Que o exemplo vivenciado na segunda maior cidade do Rio Grande do Norte mostre que é preciso aceitar o respaldo popular e evitar judicialização de campanhas eleitorais. O resultado da eleição de domingo último não foi um "recado" do eleitor contra a família Rosado. Pelo contrário: evidenciou que é preciso, os políticos, aceitarem os números expostos ao abrir das urnas.

Vejamos: em 2012 os mossoroenses escolheram a então vereadora Cláudia Regina (DEM) para ser sua prefeita. Venceu com maioria de pouco mais de cinco mil votos, derrotando a deputada estadual Larissa Rosado (PSB). Esta acionou sua assessoria jurídica e questionou o resultado da eleição. A resposta jurídica veio: Cláudia também acionou seus advogados contra Larissa sob os mesmos argumentos: abuso de poder econômico, midiático, etc, etc e etc.

A Justiça Eleitoral afastou e posteriormente cassou o mandato de Cláudia Regina. Fez o mesmo com Larissa Rosado, que conseguiu mudar decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), onde tramitam os processos contra Cláudia Regina.

Veio a eleição suplementar. O então presidente da Câmara Municipal, Francisco José Silveira Júnior (PSD) se elegeu prefeito, derrotando Larissa Rosado.

Com a eleição de domingo, foram três campanhas que Mossoró vivenciou em dois anos. E isso cansou, de certo modo, o eleitor, que já havia confiado os destinos da cidade à Cláudia Regina.

E onde entra a questão do exemplo? Simples: se o resultado da eleição de 2012 tivesse sido respeitado, talvez nada disso estivesse acontecido. Talvez Mossoró tivesse mantido sua representação na Assembleia Legislativa e na Câmara Federal.

Ocorre que saiu Cláudia Regina e entrou Silveira Júnior, que apoiou candidatos com outras origens políticas, como Galeno Torquato (PSD) e Fábio Faria (PSD). Ambos foram bem votados em Mossoró, tirando, de certa maneira, a representação da segunda maior cidade no Legislativo estadual e federal. Culpa do prefeito? Obviamente que não. Ele apenas fez valer algo a que tinha direito, de apoiar quem quisesse.

Mas bem que poderia ter acontecido diferente.

Dizem ainda que Cláudia Regina se apequenou e que a ex-prefeita Fafá Rosado (PMDB) se perdeu. O blog não vê assim. Cláudia, mesmo sem mandato, sem acesso aos meios políticos tradicionais, conseguiu dobrar os votos do deputado Getúlio Rego (DEM) em Mossoró e fez com que o deputado federal Felipe Maia (DEM) obtivesse mais de cinco mil votos. Para quem sofreu todo tipo de subtração e humilhação política, Cláudia Regina se saiu muito bem.

Com relação á ex-prefeita Fafá Rosado, ela não perdeu. Até porque não tinha a perder. Não tinha mandato e estava disputando uma vaga à Câmara Federal. Diferentemente do que aconteceu com as deputadas Sandra Rosado (federal, do PSB) e Larissa Rosado, que eram detentoras de mandatos. Agora, por força da tal judicialização da eleição de 2012, ficaram fora da Assembleia Legislativa e da Câmara Federal.

Nenhum comentário: