quinta-feira, 20 de março de 2014

Aliança PSB/PMDB terá que esperar até o dia 28

Indícios de chapas fechadas às eleições suplementares existem aos montes, mas nada de concreto. A começar pela que envolve a deputada estadual Larissa Rosado (PSB). Alguns têm afirmado que será Larissa e o presidente da Câmara Municipal, Alex Moacir (PMDB), como vice. Mas ele já negou a existência de definição. Decidir algo antes do que quer a executiva estadual peemedebista seria insensato. Até porque não se bateu o martelo: não se tem nada concreto de que o presidente da Câmara Federal, Henrique Eduardo Alves (PMDB), vá disputar o Governo do Estado e tenha a ex-governadora Wilma de Faria (PSB) como candidata ao Senado na chapa.

Além disso, foi aprazada para o dia 28 próximo a apresentação da chapa do PMDB ao Governo do Estado. Somente depois que isso acontecer é que se terá certeza de que PMDB e PSB seguirão juntos em Mossoró. Algo que o blog ainda duvida. E se seguir, vai vem rachadinho. O que não é bom para nenhum partido.

As eleições suplementares, agendadas pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) para o dia 4 de maio, estão em cima. Mas toda e qualquer decisão apressada pode ser fatal para todos os pretensos candidatos que miram a Prefeitura de Mossoró.

No caso de Larissa Rosado, ela ainda não obteve o aval da Justiça Eleitoral para pensar em ser candidata. E só vai ter quando for fazer o registro de sua candidatura. Ela, para efeitos maiores, está inelegível, já que foi alcançada pela Lei da Ficha Limpa por decisão de um colegiado (o TRE manteve o cancelamento de seu registro de candidata em 2012 e suspendeu seus direitos políticos por oito anos).

Obviamente que, em se tratando de Direito, a deputada vai obter a tal liminar. E isso apressaria, em tese, o julgamento de processos que tramitam no Tribunal Superior Eleitoral. O blog não vai entrar nessa questão. Até porque entende que Larissa, assim como todos os demais pretensos candidatos, têm o direito de buscar o respaldo da Justiça para fazer valer alguma coisa. É apenas um exemplo de como nada está definido ainda. Muito menos a aliança PSB/PMDB.

Nenhum comentário: