quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Alguém saiu desmoralizado?

O blog escreveu, dias passados, que alguém seria desmoralizado com o furdunço surgido em Mossoró decorrente de cassações de mandatos eletivos (leia aqui). E hoje o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) corroborou o que este espaço quis dizer. Alguém, ou "alguéns", se ferrou (ou se ferraram). As sentenças que cassaram mandatos, aplicando a inelegibilidade e o afastamento imediato de cargos públicos mostram que, apesar do senso comum apontar ao contrário, quem se desmoralizou não foi a Justiça.

A bem da verdade, as sentenças definidas em primeiro juízo, seja contra a prefeita afastada Cláudia Regina ou contra a deputada estadual afastada Larissa Rosado, evidenciariam certa euforia política de lado a lado. Uns até mais ousados e arrebatadores, e os quais levantaram teses estapafúrdias de que a "limpeza" estava sendo feita na Prefeitura de Mossoró.

É verdade, e isso não se pode negar, que abusos foram cometidos (e a própria Justiça Eleitoral conheceu e reconheceu ao manter decisões de juízo de primeiro grau). Ocorre que não se poderia vislumbrar, naquele momento, motivos para crucificar "A" ou "B". Toda e qualquer eleição é como um jogo. Ganha quem melhor souber movimentar as peças. E, em Mossoró, ganhou Cláudia Regina em 2012. Ocorre que a vitória dela foi questionada judicialmente e, depois de embates processuais, a própria Justiça deliberou pelo não-reconhecimento de sua vitória e cassou-lhe o mandato.

E quem fez tais denúncias foi justamente quem, hoje, foi considerada inelegível e foi afastada do cargo de deputada estadual: Larissa Rosado.

Entenderam o que o blog quis dizer dias passados, quando asseverou que alguém sairia desmoralizado dessa celeuma toda?

E realmente saiu: a classe política em geral.

Não se pode mais pensar na possibilidade de alguém atribuir atos aéticos a alguém quando quem acusa não segue em linha tênue. Não se vislumbra mais a manutenção da velha prática da Falácia Ad Hominem. É preciso acompanhar as transformações da sociedade. Quem atira pedras no telhado dos outros é passível de ter seu telhado quebrado. E foi o que aconteceu.

Que todos os acontecimentos vivenciados em Mossoró sirvam de lição e que o fazer política deixe de ser feito à moda antiga. os tempos são outros. As pessoas são outras. As leis sofreram alterações e, consequentemente, estão mais rígidas. E a tendência é que fiquem ainda mais.

Nenhum comentário: