quinta-feira, 26 de setembro de 2013

O que sai do coração...

O dia em que o homem souber valorizar seu semelhante, certamente teremos menos injustiça. Afinal, a justiça está posta e quem a define para justa ou não é o homem. Assim mostram pensadores passados, que apostaram no futuro à derrubada de algo prejudicial à sociedade. Mas este futuro ainda não chegou e o que se vê é o índice, informal, de males danosos à própria sociedade.

Não bastasse a desigualdade imperante no Brasil, o desconforto que passa a reinar no nosso mundo contemporâneo nem se volta a governos propriamente. E sim às pessoas. Quem foram deixaram de sê-las e certamente quem serão amanhã não evidencia a nada do que são hoje. Quanto mais ao ontem.

O que o blog quer dizer é que as pessoas mudam, se transformam, de acordo com suas conveniências. Quem foi útil ontem, necessariamente não será amanhã. E isso evidencia uma lacuna imensurável no comportamento humano. Até porque o homem se acostumou a buscar o reconhecimento. E é justamente este fator que inebria o ego e derruba os ânimos de muita gente.

Todos nós, de maneira peculiar, passamos por momentos assim, de se sentir usados e descartados posteriormente. Independente de posição social ou de cargos, o que salta aos olhos é a discrepância do comportamento do passado com o agora. Mas não deveríamos ficar assim. Afinal, o conselho de um passado bem antigo já orienta de que tudo muda. Assim pensava o pré-socrático Heráclito de Éfeso. E, no mudar, no transformar das coisas, está o próprio homem. Hoje é uma coisa e amanhã, totalmente diferente do que foi antes e certamente será o oposto do que é e será.

O blog quer dizer que não devemos nos deixar levar por ideias ou palavras que saem fácil da boca. Até porque é perceptível quando algo é dito da boca para fora. Como ensina Santo Agostinho, o que sai do coração chega facilmente a outros corações. E, convenhamos, isto é algo que não se percebe ou se vivencia com tanta facilidade hoje em dia.

Um comentário:

Unknown disse...

Ótima postagem meu professor ainda bem que temos pessoas como esse pensamento na impressa nos dias atuais, mostrando que no fundo tudo ou nada e consequência de um contexto social ao qual oprimi a mídia e a direciona a caminhos escuros, mais sempre na esperança que dias melhores virão. E como diz mesmo no texto o que sai do coração realmente possa quebrantar tantos e tantos corações de pedras envolvidas nesse sistema que mesmo corrupto temos que acreditar em dias melhores.

Gyldemberg B. Malagueta