terça-feira, 25 de setembro de 2012

O que se diz...

Já foi dito aqui neste espaço que a candidata vencedora será aquela que conciliar o discurso relacionado ao que se diz e ao que se vê. Pelo nível que se encontra a campanha eleitoral mossoroense, é preciso que se faça essa leitura. Não adianta pestanejar, apelar para discursos emocionais: a bola da vez se volta à realidade. O eleitor cansou de argumentos e factóides mirabolantes. Uma campanha eleitoral se faz com seriedade, ética e, acima de tudo, respeito ao adversário. Afinal, o que está em jogo não é apenas um projeto político. É o destino de quase 300 mil habitantes.

Esse preâmbulo todo é para comentar acerca do programa eleitoral gratuito veiculado ontem pela candidata Larissa Rosado (PSB), que disputa a Prefeitura de Mossoró pela coligação "Frente Popular Mossoró mais Feliz". Seu marketing apresentou algo realmente grave: o uso de imagens captadas ilegalmente e que foi motivo de críticas pelo mesmo grupo agora. Ou seja: quando o "fato" atinge eles, o que é feito deve ser sempre desconsiderado, rejeitado e aético. Quando é para atingir, tudo vale à pena "se a alma não é pequena".

O que se viu ontem beira ao mais puro desespero político. Criou-se um programa para alardear "ameaça de morte", como manchetou hoje o jornal pertencente à candidata Larissa Rosado. Mas a ameaça foi para quem? Para a candidata? Para militantes? A quem se quer matar? Como? Onde? Por quê?

O programa eleitoral não diz. A frase que deixou no ar essa ameaça foi "... lá pra matar". Ora, qualquer cidadão em, sã consciência poderia raciocinar que essa é uma expressão que é usual na linguagem simples. "... Lá pra matar de rir", "... Lá pra matar a sede", "... Lá pra matar a fome", "... Lá pra matar a saudade", e por aí vai.

Agora, o que se entende é que, como a oposição se apropriou do termo "Lá", ninguém pode mais fazer uso dessa palavra.

Quando o blog apregoa o discurso afinado entre o que se diz e o que se vê, é justamente nesse sentido. O que se diz é que a candidata Larissa Rosado praticamente está eleita e que fará uma administração limpa e sem a presença de nenhum ficha suja na sua gestão. O que se vê não mostra uma vitória certa. O que se vê é que existe uma campanha apertada. O que se vê é que a candidata da oposição realmente começou bem na frente, mas que foi perdendo espaços por insistir em um modelo político já manjado e, agora, o tal programa confirmou o que se vê: Larissa Rosado deixa entender que foi ultrapassada pela adversária.

Em uma campanha eleitoral, quem tem que criar fatos novos é quem está perdendo. Quem está atrás. Se Larissa estivesse realmente com 10% de maioria, seu marketing não precisava recorrer ao que se entende como agressão ao eleitor. Sim, porque quem assiste a programa eleitoral gratuito quer ver propostas.

Como a campanha oposicionista afirmou que as gravações clandestinas foram enviadas para a Justiça Eleitoral, que providências sejam tomadas realmente. Que os fatos sejam esclarecidos e que as urnas, em 7 de outubro, falem quem realmente merece governar uma cidade batalhadora e que se orgulha de seus filhos. Que se orgulha do seu crescimento e da vontade de sempre conquistar mais e mais. Essa é a Mossoró que o blogueiro decidiu morar, viver. É a cidade que, independente de quem seja a próxima prefeita, continuará com seu espírito de luta e de liberdade sempre em evidência. É a Mossoró que conhecemos. É a Mossoró, realmente, para todos, mesmo que alguns não reconheçam seus avanços e conquistas.

Nenhum comentário: