sábado, 18 de agosto de 2012

O discurso 'morde e assopra' do PSB

Quando o blog escreveu anteriormente sobre o cuidado das palavras, acerca do que se diz e o que se vê, se referia ao fato do discurso duplo que surge nas eleições municipais deste ano em Mossoró. A candidata Larissa Rosado (PSB), da coligação "Frente Popular mais Feliz" exagera na dose ao defender, por exemplo, o projeto "Mossoró Cidade Junina". É fato que, ao longo dos 16 anos, o evento cresceu. Mas ao longo desse mesmo tempo, os meios de comunicação pertencentes ao grupo político-familiar de Larissa gastou tinta e voz de seus profissionais na tentativa de desqualificá-lo.

Quem não se lembra da expressão "Estação das Facas"? Foi esse o termo para definir o "Mossoró Cidade Junina", que tradicionalmente ocorre anualmente na Estação das Artes Elizeu Ventania.

Outro ponto que deve ser analisado diz respeito à segurança, cuja área a candidata aponta para parceria com o Governo do Estado. Ora, Larissa é deputada estadual em três mandatos e não há, nesses 12 anos, nenhuma ação sua concreta voltada para o setor. Nem quando foi líder do governo do PSB na Assembleia Legislativa. Governo esse, inclusive, que passou oito anos governando o Rio Grande do Norte e, em tese, teria que ter agido para amenizar situações calamitosas que afligem todo o Estado.

Além desse fator, a candidata do PSB também exagera na dose ao se referir à educação. Não reconhece os avanços conquistados e divulgados pelo próprio Ministério da Educação com relação ao Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB).

Para completar o exagero ou a falta de atenção de seu marketing, a candidata tem afirmado que quer implantar o modelo PSB de governar. Fala na suposta boa administração de Eduardo Campos (PSB), governador de Pernambuco.

E é aí que está o erro: Mossoró não conhece a realidade de Pernambuco. Estamos no Rio Grande do Norte, onde a administração de maior visibilidade do PSB foi justamente no Governo do Estado. O PSB potiguar, quando governou o RN, deixou marcas profundas e negativas. Foram denúncias de supostos esquemas de corrupção, as quais foram devidamente investigadas pela Polícia Federal e que constatou indícios graves de malversação dos recursos públicos.

Tem-se os exemplos das operações "Foliaduto", "Foliatir", "Hígia" e, por último, a "Sinal Fechado", na qual se constatou a tentativa de desvio de R$ 1 bilhão do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) por meio da inspeção veicular.

O que o blog quer dizer é que a candidata exagera ao falar nos problemas de Mossoró e para os quais ela, como deputada estadual e líder do governo do PSB, poderia ter ajudado a saná-los. É importante e salutar que a pessebista seja coerente e diga por quais motivos ela tem se esquivado de direcionar ajuda à administração municipal.

Outra falha que se observa é que a candidata apregoa que, se eleita, buscará parceria da governadora Rosalba Ciarlini (DEM). É a mesma governadora que vem sendo criticada nos meios de comunicações controlados pela pessebista. Mas, ao que parece, a tática é essa: ela e a sua mãe, deputada federal Sandra Rosado (PSB), orientam para a imprensa "verde" atacar e elas tratariam de "defender". É aquela coisa do morde e assopra.




Um comentário:

lobomal disse...

enquanto isso... vc fica fazendo essa analise tosca