sexta-feira, 4 de julho de 2014

Todos cumprem o mesmo ritual

Muito se disse em torno do afastamento do prefeito Francisco José Júnior (PSD) com o deputado Leonardo Nogueira (DEM) e com a ex-prefeita Fafá Rosado (PMDB). O blog, sinceramente, não crê em problemas maiores. Até porque, como já foi dito, a política se faz de momento. Nas eleições suplementares acontecidas em Mossoró, o momento previu a união deles. Agora, para a de outubro próximo, o quadro é outro.

Assim sendo, nada de equivocado ou que remeta a rompimento rigoroso. E se for, tudo dentro da normalidade. Vejam o que acontece a nível estadual: Henrique Alves já foi aliado de Wilma, rompeu com ela. estiveram juntos novamente. Outro rompimento mais tarde. Mais uma aliança foi anunciada. E novamente se afastaram. Agora estão juntos. Quem garante que vão estar assim mais adiante?

Vejam também o que aconteceu com a governadora Rosalba Ciarlini (DEM): passou quarenta anos seguindo o senador José Agripino (DEM) e agora eles estão separados. O mesmo aconteceu com o ministro Senador Garibaldi Filho (PMDB): esteve com Rosalba em 2010 e agora não quer aproximação. Tudo segue o momento.

E se formos analisar a questão da candidatura de Fafá Rosado à Câmara Federal, a reeleição de Leonardo Nogueira à Assembleia Legislativa e o projeto do pai do prefeito de Mossoró, ex-deputado estadual Francisco José, perceberemos que todos estão certos em definir seus rumos. Afinal, não se pode negar ou tolher projeto de ninguém.

Além disso, a disputa a qual Fafá se submeterá envolve diretamente ela e sua adversária mais ferrenha: a deputada federal Sandra Rosado (PSB). A começar por apoios. É que Sandra perdeu bases em Areia Branca para Fafá. A filha de Sandra, a deputada estadual Larissa Rosado (PSB) também perdeu em Areia Branca e em cidades onde o ex-prefeito Manoel Cunha Neto (PHS), o Souza, tinha vínculos políticos. Souza também é candidato a deputado estadual.

Leonardo Nogueira, ao que o blog saiba, mantém suas bases. Embora não passe a contar com o apoio político do prefeito de Mossoró. Francisco José, o pai, terá que centralizar esforços para tentar reagrupar suas bases, da época em que ele foi deputado estadual. E isso se faz com muita viagem, gastando saliva e sola de sapato. Algo que o "irmãozinho" deve estar fazendo.

Com isso, todos estão cumprindo o mesmo ritual: buscando apoios para tentar confirmar perspectivas políticas. Se conseguirão, isso é incerto. Mas o certo é que ninguém traiu ninguém. Ninguém passou a perna em ninguém. Apenas se vivencia um momento diferente do que se viu em 4 de maio último. Apenas isso.

Nenhum comentário: