quarta-feira, 18 de junho de 2014

Rosalba manda recado: 'pode esperar'

Nada como um dia atrás do outro/
Tenho essa virtude de esperar/
Eu sou maneira, sou de trato, sou faceira/
Mas sou flor que não se cheira/
É melhor se prevenir pra não cair/
Sou mulher que encara um desacato/
Se eu não devolver no ato/
Amanhã pode esperar/
Estrutura tem meu coração/
Pra suportar essa implosão/
Que abalou meus alicerces de mulher/
Mas a minha construção é forte/
Sou madeira, sou de morte/

Faça o vento que fizer.

Foi por meio da letra acima, de Alcione, que a governadora Rosalba Ciarlini (DEM) mandou seu recado ao presidente nacional do Democratas, senador José Agripino Maia, e ao presidente da Câmara Federal, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB) - que sonha em ser eleito governador do RN sem adversários. A direta de Rosalba foi durante entrevista que concedeu na manhã de hoje ao jornalista Diógenes Dantas, em Natal. E da conversa dela com Diógenes, a certeza de que a governadora não se sente à vontade para permanecer no mesmo partido que lhe negou a possibilidade de reeleição.

E a letra da música de Alcione, fazendo o devido encaixe com a situação vivenciada por Rosalba, faz todo sentido. A governadora foi muito clara: não vai apoiar o candidato de Agripino e fará tudo, dentro dos limites da Justiça Eleitoral, para derrotar quem lhe tirou do páreo: Henrique Eduardo Alves. E olhe que não faz muito tempo que Henrique saiu em defesa de Rosalba e agora lhe passou uma tremenda rasteira. Evidentemente que devidamente apoiado por José Agripino Maia.

E o nome da música lembrada pela governadora Rosalba Ciarlini também foi bem propício: "Pode esperar". Para quem entendeu o recado, a governadora evidenciou que poderia "cair de dentro" da campanha do vice-governador Robinson Faria (PSD) ou a de qualquer outro postulante ao Governo do Estado. Como Robinson é o único que ameaça Henrique, tudo leva a crer que o chamado "Exército da Rosa" vai mesmo preparar as armas para enfrentar a batalha. E a meta já foi definida: derrotar Henrique Eduardo Alves.


Nenhum comentário: